fbpx
Editorial

Perigo na faixa

O Brasil é um dos campeões em mortes no trânsito, atrás somente da Índia, China, Estados Unidos e Rússia

O trânsito em Sorocaba há um bom tempo deixou de ser tranquilo e gentil. Houve um período em que uns poucos semáforos operados manualmente davam conta do recado e eram suficientes para evitar acidentes. O aumento da frota levou a uma situação em que está cada vez mais difícil e arriscado trafegar por algumas regiões da cidade e, principalmente, cruzar as vias mais movimentadas, mesmo na faixa de pedestres.

Sorocaba, uma cidade com quase 700 mil habitantes, tem investido na sinalização de trânsito, principalmente na sinalização horizontal para tentar disciplinar a travessia de pedestres nas vias mais movimentadas.

De acordo com a Urbes – Trânsito e Transportes, responsável pelo gerenciamento do trânsito, a cidade conta com 221 faixas elevadas, as chamadas lombofaixas; 122 Faixas Vivas, aquelas pintadas de vermelho, e centenas de faixas tradicionais de pedestres, pintadas em branco.

Esses dispositivos, como mostrou reportagem publicada pelo Cruzeiro do Sul na edição desta quinta-feira (Seis pessoas morreram atropeladas no ano passado em Sorocaba, pág. 5, 31/10) não são suficientes para garantir a segurança dos pedestres, pois muitas vezes são desrespeitados pelos motoristas.

Leia mais  Corrigindo abusos

Prova disso é que neste ano já morreram seis pessoas vítimas de atropelamento. No ano passado foram 13 mortes por atropelamento em vias urbanas e muitas delas certamente poderiam ter sido evitadas se houvesse mais atenção por parte dos motoristas e também dos pedestres.

O Brasil é um dos campeões em mortes no trânsito, atrás somente da Índia, China, Estados Unidos e Rússia, segundo levantamento da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Apesar de ainda ser muito violento, felizmente o trânsito no Brasil vem matando menos em consequência de uma série de fatores. Um levantamento do Ministério da Saúde, divulgado no ano passado, revelou que houve uma redução significativa no número de mortos.

Em 2016, último ano com dados disponíveis, foram registradas 37.345 mortes no trânsito, um número 14,8% menor que em 2014, quando ocorreram 43.780 óbitos. A legislação rigorosa do Código de Trânsito Brasileiro tem colaborado para a redução.

A instituição da Lei Seca há pouco mais de dez anos, que ajudou a mudar os hábitos do motorista brasileiro, trouxe maior rigor na punição para quem desobedece a legislação e certamente colabora para a redução de mortes.

Leia mais  Teoria e prática

A legislação também tem obrigado a indústria automobilística a se adaptar aos novos tempos adicionando equipamentos de segurança importantes aos veículos como airbags frontais obrigatórios, sistema de freios com ABS e a obrigatoriedade do uso das cadeirinhas para crianças.

Mas apesar da redução dos últimos anos, os números ainda são assustadores. No caso dos atropelamentos, os idosos são as maiores vítimas nesse tipo de acidente.

Por se deslocarem com mais frequência a pé e não disporem de muita agilidade, os idosos são as maiores vítimas fatais como pedestres, representando 36% do total de atropelamentos registrados no país.

Quando são vítimas de um atropelamento, os idosos também estão mais sujeitos a lesões de maior gravidade, que podem levar a grandes períodos de internação hospitalar.

Sorocaba vem ganhando cada vez mais faixas de pedestres, Faixas Vivas e lombofaixas, mas é preciso que motoristas e os próprios pedestres aprendam a utilizar esses equipamentos de segurança viária. Os motoristas precisam sempre estar atentos à movimentação dos pedestres que pretendem cruzar as vias utilizando esses dispositivos, pois ele sempre tem prioridade.

Leia mais  Saúde na berlinda

É comum vermos em Sorocaba alguns motoristas respeitando as faixas e, na faixa ao lado outro motorista distraído ou sem qualquer informação sobre as regras de trânsito, avançando sobre ela, causando uma situação ainda mais perigosa.

Os pedestres também devem atravessar nas faixas, mas sempre prestando atenção nos motoristas, pois precisam se certificar de que foi visto e que o veículo vai parar para dar passagem.

Como equipamento essencial para a segurança dos pedestres, as faixas precisam estar bem sinalizadas, instaladas em locais onde fiquem bem visíveis e que contem com iluminação para que sejam vistas e respeitadas também no período noturno.

É preciso que os motoristas se conscientizem da necessidade de dar prioridade aos pedestres. Uma fiscalização mais rigorosa talvez tivesse efeito pedagógico mais eficiente para conter motoristas distraídos ou abusados.

O CTB classifica avançar sobre a faixa com pedestres tentando cruzar a via como infração gravíssima, com multa no valor de R$ 292,47 e 7 pontos na CNH. Seria um estímulo a mais para que as faixas de pedestres passem a ser mais respeitadas.

Comentários
Assuntos