Editorial

Pelo aplicativo

Através do aplicativo será possível localizar vagas e pontos de venda mais próximos, além de comprar créditos e gerenciar saldos

A partir do dia 3 de dezembro, a primeira segunda-feira de dezembro, começa a operar em Sorocaba o aplicativo Zona Azul Digital. O sistema possibilitará a compra de créditos para o uso de vagas de estacionamento rotativo da cidade, justamente no mês que registra maior movimento na região central por conta das compras de Natal. A modernização da Zona Azul de Sorocaba é uma promessa de campanha do prefeito José Crespo (DEM) e chega quando ele já cumpriu metade de seu mandato.

O estacionamento regulamentado esteve praticamente abandonado durante vários anos, sem fiscalização efetiva, com sinalização deficiente, sem aumento de vagas e restrita a apenas algumas ruas da região central da cidade. A atual administração, no início do ano passado, revitalizou o sistema de estacionamento, com a pintura das faixas e sinalização vertical, embora as vagas ainda se limitassem ao Centro. Em um segundo momento, as vagas foram ampliadas chegando a 2 mil e atingiram ruas fora da região central, mas com grande demanda de vagas, como ruas do bairro Santa Terezinha e aquelas próximas ao Parque Quinzinho de Barros, eterno palco de discussões entre motoristas e flanelinhas nos finais de semana. Essa ampliação de vagas e melhor fiscalização foram acompanhadas de um forte reajuste de preços. A hora de estacionamento passou de R$ 0,50, um valor que não era reajustado desde 1996, para R$ 1,50, ainda assim bem mais barato do que é cobrado pelos estacionamentos particulares que se espalham pela cidade, um forte indicativo de que precisamos urgentemente de mais estacionamentos públicos.

Embora com falhas iniciais por falta de pontos de venda de cartões em um primeiro momento, estes foram ampliados para mais de uma centena, mas mesmo assim é o maior foco de reclamações dos usuários. Agora, com a implantação do aplicativo, esse tipo de reclamação tende a acabar. O sistema adotado pela Urbes, que gerencia a Zona Azul e apresentado durante coletiva ontem, é semelhante ao utilizado na cidade de São Paulo. Através do aplicativo será possível localizar vagas e pontos de venda mais próximos, além de comprar créditos (via cartão de crédito) e gerenciar saldos. O novo sistema dispensa o talonário de papel, não é preciso preencher nada, nem manter o comprovante visível, no interior do veículo. O sistema permite ainda outras facilidades como informar o tempo que falta para terminar o período de estacionamento e até receber alarmes que indicam que o tempo contratado está acabando. Por sua vez, o agente de trânsito responsável pela fiscalização vai dispor de um sistema que informará se o proprietário do carro pagou pela hora de estacionamento naquela vaga. Para utilizar a Zona Azul Digital o proprietário de veículo deverá fazer um cadastro informando seus dados pessoais e a placa do veículo e em seguida adquirir dez créditos (R$ 15), que pode ser pago por cartão de crédito. Prevendo a dificuldade que algumas pessoas têm em lidar com aplicativos, a Urbes não vai aposentar de vez os talões de estacionamento e terá uma rede credenciada para vender os talões durante um período, até quer a população de adapte ao novo sistema.

Nos primeiros dias, uma equipe da Urbes vai sair às ruas para orientar os motoristas, ensinando todos os passos do processo. A Urbes informa também que irá ampliar o número de vagas, agora nas imediações do Conjunto Hospitalar de Sorocaba, uma ampliação modestíssima face às necessidades da cidade. As vagas regulamentadas devem chegar o quanto antes a alguns bairros e avenidas onde há necessidade de rotatividade de estacionamento e a ação de flanelinhas é sabidamente abusiva. Precisa pensar ainda em soluções para o futuro. Uma cidade como Sorocaba precisa de grandes áreas para estacionar veículos, até para que a população possa aproveitar melhor o que o centro da cidade oferece. Temos ruas estreitas, muitos prédios antigos sem garagem e estabelecimentos comerciais também sem estacionamento. Muitas cidades contornaram o problema criando estacionamentos subterrâneos, sob praças e até avenidas. É preciso pensar em soluções e alternativas desde já, antes que seja tarde.

Comentários