Artigos

Tulsa – O Retorno

Artigo escrito por Edgard Steffen, escritor e médico pediatra
Tulsa - O Retorno
Crédito da foto: Nicholas Kamm / AFP (20/6/2020)

Edgard Steffen

Juiz de Vara Cível obriga Bolsonaro a usar
máscaras sob pena de multa diária (Dos jornais)

Donald Trump abriu a campanha para reeleição em Tulsa, Oklahoma, USA. Fracasso de público. Esperava 19 mil apoiadores lotando o recinto. Menos da metade compareceu. Depois de esbravejar com os organizadores, discursou durante 1h e 40 minutos. Criticou a imprensa, os protestos antirracismo e o adversário. Máscaras não obrigatórias. Como as aglomerações estavam proibidas, os participantes do comício assinaram documento assumindo total responsabilidade pelo risco. Profilaxia para evitar pedidos de indenização, caso adquirissem o coronavírus.

O fracassado comício lembrou-me evento ocorrido, em 2007, na mesma cidade. Desenterraram um Plymouth Belvedere Sport Coupé 1957, modelo rabo-de-peixe, símbolo da indústria automobilística fabricante de veículos beberrões de combustível. À ocasião o mundo vivia anos dourados de paz e petróleo barato. Os japoneses ainda não haviam construído seus carros compactos, eficientes e econômicos.

O objetivo promocional pretendia mostrar ao século XXI como se vivia no XX. No tanque do cinquentão, 40 litros de gasolina. No porta-luvas, bolsa de mulher com objetos e coisas de uso corrente: batom, “bobs” para cabelo, maço de cigarros, vidro de tranquilizante, tíquete de multa de trânsito e US$ 2.43 em espécie.

Leia mais  Filmes da Netflix: ‘Castelo de areia’

Entre o enterro e a exumação do Plymouth, vivemos os frenéticos anos 60. Anos que revolucionaram usos e costumes. João 23 e o Concílio Vaticano II mandaram que se rezasse missas de frente para os fiéis e na linguagem que o povo falava. Martin Luther King Jr., da escadaria do Capitólio, pronunciou seu espetacular “I have a dream” em favor dos direitos civis. O líder negro e os irmãos Kennedy abatidos a tiro por contrariar interesses dos que não estavam de acordo com suas ideias. Contracultura hippie clamava por Paz e Amor no enlameado Woodstok. Quarteto inglês, cabelos e terninhos extravagantes, transformaram de vez a música pop. Vulgarizada, a pílula anticoncepcional desencadeou revolução sexual no planeta. No Vietnã, a maior potência militar aprendeu que, para vencer uma guerra, é preciso mais que armas. Ao fim da década, o homem pisa o solo lunar.

Se neste Brasil assustado pelo coronavírus desenterrássemos uma das “carroças” — para usar o jargão do Collor — montadas há mais de meio século, quais as mudanças impactantes? A Capital foi levada para o interior. Após o sorridente JK, surpreendente Jânio e as tais forças ocultas. Fugaz parlamentarismo de conveniência. E tome regime militar. Milagre econômico. Copas do mundo. Desenvolvimento. AI5. Ame-o ou deixe-o. Guerrilha. Tortura. Diretas Já. Festivais de música. Protestos. Rock e MPB. Aposentadoria dos paletós e popularização dos jeans. Democracia enfim. Ou em fim?!à

Leia mais  Amigos e canalhas

E o legado em nossa hipotética carroça? Os cruzeiros seis vezes reformados perderam feio para a inflação, até caírem na e no real. O maço de cigarros desceu de status. As leis antitabagismo tornaram deselegante o ato de fumar. A notificação de multa caducou. Teve o destino que têm as penalidades aplicadas por aqui; de instância em instância, caducam por decorrência de prazo. O remédio tranquilizante deve ter caído em desuso, porque a indústria o teria substituído por outro mais moderno (e mais caro, naturalmente). O combustível seria aquela gasolina batizada com chumbo que, sob pretexto de incrementar a octanagem, nos intoxicou durante anos.

E o Brasil continua imitando os USA no que eles têm de pior. Desigualdade, violência e preconceito racial.

Edgard Steffen é escritor e médico pediatra. E-mail: edgard.steffen@gmail.com

Comentários