Artigos

Se defende do que precisa

Confira o artigo da jornalista Neusa Gatto



Crédito da foto: Pixabay

Neusa Gatto

Ele entra em seu quarto. Não acende a luz. Senta-se na cama e num longo suspiro põe as mãos no rosto. A luz da rua ou, talvez da lua, iluminam o lugar. Sombreiam aquela figura dobrada sobre os joelhos. Parece chorar. Nem é do tipo sentimental. Se conhece em sua racionalidade. Numa conduta infinita de análises, sínteses, conjecturas, resultados. E, que, nem sempre, é certo, fechavam o circuito das ideias. E, então, no padrão de suas atitudes, tende a se desviar do caminho que nem sempre constrói.

Não se envergonha pelo medo ou insegurança. Que bons conselheiros tinham sido até agora. Assim entende. Ou se desentende nesse momento, quando as duas se foram. Deram lugar a raridades em sua vida: certeza, vontade, paixão…

Leia mais  Dois capítulos decisivos separados por 25 anos

Procura se defender do que precisa. Duas faces na escuridão do quarto. O rosto, marcado por uma luz que empalidece um dos lados. Figura estranha vista num espelho.

Vai à janela e olha pro céu. Por que a insegurança e o medo haviam desaparecido? Reflete sem respostas.

Nas paredes, desenhos das sombras das árvores refletem o balanço do vento lá fora. Anda pelo quarto. Livros, discos, lembranças, imagens, fotos.

Um mundo particular onde prefere, muitas vezes, se enclausurar.

Vai pra cozinha. Abre a geladeira. A garrafa de vodca gelada atrai. No copo, uma generosa dose. Um grande gole enquanto pensa ao olhar a bebida, tão transparente…

Seus scripts de vida o abandonaram. Ou ameaçam abandoná-lo. Então, se rende finalmente ao que é mais forte naquele instante: viver a felicidade que tem experimentado.

Leia mais  Os segredos da redação nota mil - parte 2

Com uma coragem que desconhecia, ainda se pergunta: será eterno? Passageiro? Não quer resposta. Não precisa mais. Em meio às dúvidas, já encontrou algumas certezas. De sentimentos reais. Dos quais não pode fugir. Nem quer.

Como pode ser tão dolorida uma feliz descoberta? Sorri. Se permite a liberdade de aceitar sua paixão. Toma mais um trago. A vodca gelada arde na garganta. Como ardem seus pensamentos mais apaixonados agora!

Neusa Gatto é jornalista e produtora de vídeos.

Comentários

CLASSICRUZEIRO