Artigos

O universo das rimas, reduto da poesia

Confira a coluna de João Alvarenga, professor de Língua Portuguesa e mestre em Comunicação e Cultura


João Alvarenga

Na quinzena passada, abordei a origem do soneto que, desde quando foi concebido, há oito séculos, pelo poeta siciliano Jacobo Lentini, mantém-se como modelo ideal de poesia refinada; porém, é impossível abordar essa arte de versejar, sem salientar que a presença de rimas é fundamental para essa forma fixa, que se mantém inalterada, apesar de tantas transformações da sociedade. Aliás, a rima é uma importante ferramenta estilística tanto para poesia quanto para as letras de músicas, pois esse recurso permite maior sonoridade, ritmo e musicalidade à criação artística em forma de versos.

Os teóricos afirmam: a rima consiste na associação entre os fonemas das palavras que podem ser consideradas como pares nos textos. Isso significa que a rima acontece entre um verso e outro. Assim, ocorre a repetição de sons idênticos ou semelhantes, geralmente, na sílaba final das palavras. Porém, não se pode abordar esse assunto sem citar Olavo Bilac, um árduo defensor da ideia de que o poeta, mais do que mero manipulador das palavras é, antes de tudo, um ourives que deve lapidar os vocábulos, para que os versos brilhem como pedras preciosas. Bilac, além do notório patriotismo que aflorava em seus versos (autor do Hino à Bandeira), tinha verdadeira obsessão pela perfeição métrica e, também, pela busca da preciosa rima, ou seja, um arranjo rimático que tirasse a combinação sonora de palavras do “lugar-comum”.

Do contrário, o versejador cai, com facilidade, na armadilha da rima pobre, algo que os teóricos identificam como escolha equivocada de palavras que pertencem à mesma classe gramatical, sem garantir originalidade aos versos. É como se o poeta rimasse tomate com abacate, o que caracteriza uma pobreza vocabular. As rimas pobres são marcadas pela repetição de sons corriqueiros, como: “mente contente, naturalmente, o demente pra toda gente”. Isso parece brincadeira de criança, pois não agrega profundidade à mensagem. As aliterações e assonâncias são válidas, mas não pode haver exageros. Infelizmente, nos dias de hoje, as rimas empobrecidas permeiam a maioria das letras de variados gêneros musicais.

Todavia, nem mesmo Vinicius de Morais escapou dessa terrível cilada, em: “De repente do riso fez-se o pranto/ Silencioso e branco como a bruma/E das bocas unidas fez-se a espuma/ E das mãos espalmadas fez-se o espanto”. Nesse caso, vale observar que os termos “pranto”, “espanto”, “bruma” e “espuma” são substantivos, ou seja, não há mudança de classe gramatical. Isso não se verifica no exemplo: “Longe do estéril turbilhão da rua,/Trabalha e teima, e lima, e sofre, e sua!”.

Nos versos acima, Bilac habilmente soube combinar o substantivo “rua” com o verbo “suar”, transposto para a forma “sua”. Chamo a atenção para a sutil artimanha do poeta: a palavra “sua”, como equivocadamente alguns podem supor, não se trata do conhecido pronome possessivo, mas tão somente do verbo suar, conjugado na terceira pessoa do presente do indicativo.

Para concluir, recorro aos fragmentos da obra do poeta Raul de Leone: “Que ouço ao longe o oráculo de Elêusis./ E do teu ventre nasceriam deuses…”, para ilustrar a presença daquilo que a crítica chama de rima rara pelo jogo sonoro entre as palavras “Elêusis” e “deuses”. Já nos versos: “Toma conta do corpo que apodrece…/E até os membros da família engulham,/Vendo as larvas malignas que se embrulham/No cadáver malsão”, fazendo um s, do simbolista Augusto dos Anjos, o leitor atento percebe que se trata de uma rima preciosa, algo muito complexo de fazer ou entender. O legado da trupe de 22 será o assunto da próxima quinzena. Até lá!

*João Alvarenga é professor de Língua Portuguesa, mestre em Comunicação e Cultura, produz e apresenta, com Alessandra Santos, o programa Nossa língua sem segredos, que vai ao ar pela Cruzeiro FM (92,3 MHz), às segundas-feiras, das 22h às 24h.

Comentários
Assuntos

CLASSICRUZEIRO