Artigos

‘Joaquim’ questiona a visão heroica da Inconfidência Mineira

Filme de Marcelo Gomes será exibido hoje na Fundec
‘Joaquim’ questiona a visão heroica da Inconfidência Mineira
“Joaquim” humaniza a figura de Tiradentes e discute o Brasil. Crédito da foto: Divulgação

Nildo Benedetti – nildo.maximo@gmail.com

Como aos 21 deste mês comemora-se o Dia de Tiradentes, a Fundec apresentará hoje, no projeto Cine Reflexão, o filme “Joaquim”, de 2017, sobre aquele personagem histórico. Como o próprio diretor do filme diz que é uma ficção, gostaria de rememorar a série de quatro artigos que escrevi nesta coluna que tinha por título “Baseado em fatos (quase) reais” e cuja versão ampliada foi integrada ao meu livro “Filmes para pensar”.

Observei que o pintor Pablo Picasso escreveu que a Arte é uma mentira que nos faz compreender a verdade. A verdade a que Picasso se refere não é a definitiva sobre fatos históricos ou científicos, mas é a verdade contida no sentido da obra de Arte dado pelo espectador no seu processo de interpretação. Escrevi também que documentários e filmes de ficção, baseados ou não em fatos reais, assim como os livros de História, devem ser vistos como a exposição de pontos de vista do autor sobre determinado fato real ou fictício. Por essas razões, os filmes declaradamente de ficção são poderosas fontes de reflexão sobre verdades a respeito de temas das ciências humanas e, nesse sentido, podem ser mais abrangentes, realistas e tocantes do que documentários e filmes baseados em fatos reais.

Leia mais  Dominados pelo ódio

“Joaquim” tem a particularidade de abordar a vida de Tiradentes antes de ele se engajar no movimento de independência do Brasil. O diretor recorreu à consultoria histórica de Laura de Mello e Souza, autora de mais de uma dezena de livros e uma das principais historiadoras do Brasil. Ela é docente aposentada do Departamento de História da Universidade de São Paulo e ocupa a cátedra de História do Brasil na Universidade de Paris IV — Sorbonne. É, portanto, uma acadêmica devidamente autorizada para apresentar uma visão realista, dentro do possível, da personalidade de Tiradentes e do ambiente político, econômico e social do Brasil do final do século 18. Como resultado dessa pesquisa histórica cuidadosa, “Joaquim” transcorre em ambiente de pobreza, humaniza a figura de Tiradentes e mostra-o como um homem comum que as circunstâncias do momento transformaram em herói. Discute, portanto, a própria gênese do herói, como também fez Bertolucci no “A estratégia da aranha” exibido na semana passada na Fundec.

Leia mais  Filme ‘Todos já sabem’ mostra as vísceras da família (1)

O filme de Marcelo Gomes contribui para a análise do Brasil, nos moldes em que se empenharam os sociólogos do “Pensamento Social Brasileiro” da primeira metade do século 20: analisar o Brasil para corrigi-lo. Para esses autores, o peso da herança colonial foi decisivo na formação da sociedade brasileira. Por isso, o filme ajuda a compreender o Brasil colonial e o Brasil atual. É superior aos filmes anteriormente produzidos sobre a Inconfidência Mineira, como “O mártir da Independência”, de 1977, e “Tiradentes”, de 1999. Estes utilizaram os lugares-comuns encontrados em muitas obras do gênero biográfico: personagens históricos esquematicamente idealizados, envoltos em cenários e figurinos suntuosos, longe da realidade.

Serviço

Cine Reflexão
“Joaquim”, de Marcelo Gomes
Hoje às 19h
Sala Fundec (rua Brigadeiro Tobias, 73)
Entrada gratuita

Comentários