fbpx
Artigos

De pais e saudades

Confira o artigo de Edgard Steffen, médico pediatra e escritor
De pais e saudades
Crédito da foto: Emidio Marques / Arquivo JCS

Edgard Steffen

Você é minha melhor saudade Carlos Araújo*

Muito antes da exploração comercial da efeméride, minha família comemorava o Dia das Mães no segundo domingo de maio, conforme criação de Anna Jarvis. Havia festa na Escola Dominical. Cânticos, poesias e simbólicos presentes dedicados à rainha do lar. Recebiam flores e desenhos feitos pelos filhos. A maioria das homenageadas não comparecia. Estavam às voltas com preparativos do almoço especial. A trabalheira começava às seis da manhã para que a sopa e a macarronada fumegassem ao lado do frango escolhido, colhido, sacrificado, depenado, eviscerado, marinado e recheado para o cardápio especial. Contraditórias rainhas a labutar mais que servas para encher a pança dos súditos. Não havia Dia dos Pais.

Leia mais  Confira o artigo 'Matutações e solilóquio', de Edgard Steffen

Hoje existe. Varia ao sabor da geografia e predominância religiosa. Na Romênia celebra-se no 2º domingo de maio. Na Alemanha, corresponde à Ascensão do Ressurreto (39º dia após a Páscoa). Na Rússia, o 23 de fevereiro. Em 70 países, USA inclusive, comemora-se o Father’s Day em Junho. Nos países de grande tradição católica, a data reservada é o 19 de março (Dia de São José). No Brasil, foi introduzido pela vez primeira em 1953, por ideia do publicitário Sylvio Bhering, diretor do jornal “O Globo”. A data, 16 de agosto, no hagiológico católico é dedicada a São Joaquim, pai da Virgem Maria. A comemoração seria, posteriormente, mudada para o segundo domingo de agosto. Óbvio que o estímulo ao consumo pesou na permanência da efeméride.

Não pretendia escrever sobre o tema, até ler “Tributo ao pai”, singelo artigo minibiográfico do Carlos Araújo. Numa exposição clara, direta, sem carregar nas tintas da autocomiseração, o articulista descreve horas passadas ao lado do pai, migrante pobre lutando pela sobrevivência na metrópole devoradora dos deserdados. Pequeno, montado no ombro paterno, enxergou o mundo em visão privilegiada. Maiorzinho — seguro porque mão forte o prendia — deslumbrou-se com edifícios e escadas rolantes. Andou pelas calçadas que levaram Tom Zé a declarar “São São (duas intencionais vezes) Paulo, meu amor”. Deve ter cruzado a mesma avenida e esquina celebrizadas por Caetano, em Sampa, e Vanzolini, em Ronda. Pela mão foi levado ao Grupo Escolar de Jandira, onde aprenderia letras e palavras que — muito tempo depois — seriam seus instrumentos de ofício e sustento do espírito. Pré-adolescente, foi ao fundo de poços como força de trabalho auxiliar, porque, no contexto em que viviam, palavras não garantiam o pão de cada dia. Em vez de lamentar, Araújo enaltece as longas horas na companhia do seu herói pessoal, saboreando histórias contadas de um jeito que só o nordestino sabe narrar.

A leitura do tributo fez-me lembrar Christiano João Martinho, meu pai. Viveu dias de fartura e poder nos anos 20. Descendente de germanos, falava pouco com as crianças. Caçula, 11º filho, nasci quando a decadência econômica e política já se fizera sentir (1931).

Leia mais  De médicos e chamados

Quando minha mãe precisou trabalhar, levou-me para a fazendola onde labutava numa espécie de voluntário exílio. Ensinou-me costumes da vida rural, pescarias inclusive. Quando voltamos para a cidade — ele para assumir humilde cargo de fiscal, eu para iniciar a vida escolar — ensinou-me a gostar de esportes e entretenimentos. Sem esquecer o triplo foco escola-igreja-família. Nas férias escolares, em charrete puxada por pangaré, levava-me para abrir porteiras das estradas em direção às obras que fiscalizava. Sabia o nome de cada árvore pela qual passávamos, de cada animal que avistássemos. Contava-me histórias de caça, pesca e do relacionamento com seu pai e avô.

Em diferentes anos, momentos vividos com o poceiro e com o funcionário público, tornar-se-iam as melhores saudades que um jornalista maduro e um velho médico puderam guardar.

Feliz Dia dos Pais, 2019!

(*) Araújo, C. – Tributo ao pai Mais Cruzeiro CS 02/08/2019)

Fontes: Wikipedia

Fernandes, Claudio – “História do Dia dos Pais” — Brasil-Escola (https://brasilescola.uol.com.br/datas-comemorativas/dia-dos-pais)

Dia dos Pais, 2019

Edgard Steffen é médico pediatra e escritor – E-mail: edgard.steffen@gmail.com

Comentários