Artigos

Covid-19, estresse e imunidade

Artigo escrito por Éric Diego Barioni, professor e coordenador do curso de Biomedicina da Uniso, delegado do Conselho Regional de Biomedicina da 1ª Região (CRBM-1), na Região Metropolitana de Sorocaba (RMS), e Conselheiro do CRBM-1

Éric Diego Barioni

Lembro-me que, durante a epidemia de gripe que ocorreu em 2009, os episódios de ansiedade que eu já apresentava se agravaram e evoluíram para quadros de ansiedade mais intensos. Não faz muito tempo que isso ocorreu, e em 2009, diferentemente dos dias atuais, o acesso às informações pela internet e redes sociais era menos abrangente. Mesmo assim, as informações transmitidas na época e, o mais importante: a forma como eu administrei as informações que recebi, compreenderam parte dos fatores que contribuíram para o agravamento do meu quadro.

O jornalismo escrito e por radiodifusão (TV e rádio) sempre foi essencial para a comunicação de fatos, acontecimentos e cultura. No entanto, entre outros fatores, com o advento das redes sociais e o acesso ampliado à internet, tais meios de comunicação, ainda que continuassem importantes, perderam espaço. Atualmente, em tempos de tantas fake news pela internet, o jornalismo escrito e por radiodifusão mais uma vez demonstrou sua importância. Obviamente que aqui ressaltando os trabalhos que são desenvolvidos por empresas que atuam com ética e seriedade, estes meios de comunicação trabalham com profissionais capacitados para o exercício de suas funções e com o compromisso ético de atender a população com informações precisas e verdadeiras.

Leia mais  O mundo depois do túmulo vazio

Infelizmente nem todos os meios de comunicação atuam da mesma forma, mas, nós, os consumidores, somos livres para escolher o que consumimos. Utilizando aqui o que Paracelso, que foi um dos pais da toxicologia, dizia, trago: entre os fatores que determinam a toxicidade de uma substância, ou seja, o quanto a substância é ou não prejudicial à saúde, está a dose. Portanto, para este momento de pandemia, o acesso às informações é importante. No entanto, para a nossa saúde, temos que cuidar para não consumí-las em excesso ou da forma errada.

Por fim, chegamos à Covid-19. Quantas pessoas, assim como eu, lá em 2009, estão passando por momentos de estresse e ansiedade? Ainda mais porque a situação que vivemos hoje é bem diferente da situação que foi vivida em 2009. Fatores como estresse e ansiedade interferem com a imunidade, diminuindo a capacidade de atuação do sistema imunológico. Em tempos de pandemia, mantermo-nos saudáveis é importante, e para isso, acredite: não precisamos nos apegar ao uso de substâncias aparentemente milagrosas, mas ao desenvolvimento de pequenos hábitos que poderão fazer toda diferença.

Leia mais  Inovação é o mantra da Educação

Separei aqui uma série de cuidados que poderão auxiliar o funcionamento do nosso sistema imunológico, veja: mantenha o distanciamento social, se puder, é claro. Não compartilhe fake news. Deixe para lá o hábito de compartilhar vídeos sem procedência, duvidosos, milagrosos ou apelativos. Antes de compartilhar algo nas redes sociais, confirme se as informações são verdadeiras. Dê um descanso para você: desligue as redes sociais e organize os horários de consumo de notícias. Assista a filmes ou séries. Faça atividade física, dance e não use o distanciamento social como desculpa para não fazer.

Relaxe, e não se cobre demais. Alimente-se e durma bem, hidrate-se, não fume, não consuma álcool. Brinque com seus filhos e animais de estimação. Ouça aquela música que tanto gosta e separe um tempo para fazer absolutamente nada. Ajude o próximo. Trabalhe, seja dedicado, mas não extrapole seus limites. Aproveite o tempo para colocar em prática aquele projeto, estude, converse com os amigos pelo ambiente virtual. Mantenha a sua rotina, acorde, tome seu café, almoce, durma no horário, etc. Por fim, crie, inove, invente, transforme e se transforme.

Leia mais  Filmes da Netflix: “Riphagen” (parte 1 de 2)

Éric Diego Barioni é professor e coordenador do curso de Biomedicina da Uniso, delegado do Conselho Regional de Biomedicina da 1ª Região (CRBM-1), na Região Metropolitana de Sorocaba (RMS), e Conselheiro do CRBM-1. (eric.barioni@prof.uniso.br)

Comentários