Artigos

Casamento e divórcio

A união de dois seres humanos vindos de famílias e comportamentos totalmente diferentes certamente necessita de ajustes de convivência

Vanderlei Testa

No Brasil, segundo pesquisas recentes, acontecem mais de 600 divórcios por dia. É a realidade de uma convivência de casais com desajustes no relacionamento conjugal. Assistindo esta semana a um filme na televisão, da série “Cedar Cove”, ouvi a frase: “divórcio, autópsia de um casamento”. Fiquei pensando. A autópsia é feita quando uma pessoa morre. Autópsia de um casamento é quando acaba ou “morre” o relacionamento de um casal. Só que não morreram. As pessoas continuam vivas. Cada um pra um lado, mas com direito a continuarem suas vidas. Então, não há autópsia. Há nulidade de um compromisso assumido. Conheço dezenas de casais que acabaram com o relacionamento conjugal. Inclusive em família. A cada dia somos surpreendidos com notícias de alguém que vai casar e, também de separações e divórcios. O mundo está mudando o comportamento humano. Não sou psicólogo. Gostaria de ter sido.

Já li e reli o livro “Tornar-se pessoa” do psicólogo americano Cal Rogers, especialista em abordagem centrada na pessoa. Aprendi muito sobre a psicologia humana. A união de dois seres humanos vindos de famílias e comportamentos totalmente diferentes certamente necessita de ajustes de convivência. Um gosta de viver com autonomia e outro tem a necessidade da dependência. Pronto! Já começa aí um desajuste de vida a dois. O equilíbrio é como uma balança quando será usada para pesar um quilo de feijão a granel como vi no mercado municipal. De um lado o peso aferido com as mil miligramas. Na outra bandeja o saco com o feijão sendo pesado. O comerciante vai colocando com o cone, grão a grão de feijão até o peso bater no fiel da balança à exatidão do quilo. Antigamente era assim, bem como os casamentos duradores, como o da Brasília e Armando Ponce beirando os 50 anos de vida conjugal construída dia a dia. Eles testemunham isso como palestrantes de cursos de noivos em Sorocaba, alertando sobre o amor conjugal.

Leia mais  Rede sem fio

Vocês, leitores, com certeza também passaram por essa experiência em padarias comprando frios fatiados. Só que agora a balança é digital e sempre passa do peso solicitado. Acredito que para muita gente o casamento no século 21 sempre passa das medidas dos sonhos do namoro e noivado. Começa com as despesas financeiras do casal. Antes do sim e das alianças na mão esquerda simbolizando a união conjugal as previsões eram acertadas minuciosamente para bater no final do mês as contas. Depois de casados e morando juntos, aparecem aquelas comprinhas e extras com saidinhas de final de semana. E como na balança digital, passa do peso, ou melhor, do saldo bancário. É ou não é? A tal de autópsia do casamento começa a ser feita. Inicia o processo de cortes cirúrgicos no orçamento, contenções de gastos com TV a cabo, faxineira, jantares substituídos por pizzas de supermercados, cancelamentos de idas a shopping, luzes apagadas em casa, banhos mais rápidos e o que mais você desejar colocar na listinha. A esposa fala ao marido para reduzir a cerveja e leva bronca. O marido pede a mulher para pintar o cabelo só uma vez por mês e nem conto aqui o que ele ouve. E o processo na cirurgia da autópsia do casamento continua. Agora é a vez do emocional na cabeça. Ela (cabeça), cheia de problemas reage nos cônjuges. O homem começa a roncar e atrasar no levantar para ir ao trabalho. A mulher com indícios de depressão por sentir-se pressionada a reduzir suas compras nas lojas e alimentação, salão de beleza, fica sem dormir. Insônia e depressão. Essas duas danadas ervas daninhas acabam crescendo na vida do casal. E a autópsia continua. Agora é a vez da fome. Aumenta a vontade de comer. Homem e mulher abrem a porta da geladeira sem parar. As bolachas e doces acabam rápido durante um filme na TV. Desanimados e preocupados com as contas intermináveis do cartão de crédito, decidem fazer um empréstimo pessoal. Afinal, juros anuais de 400 por cento parecem pouco naquele momento. E quando percebem que não há saída, marido e mulher vão ao psicólogo gastar mais dinheiro para resolveram seus desajustes. Muitas vezes sem conseguirem chegar a um acordo, decidem pela separação, divórcio e, cada um volta pra casa dos pais. Pronto! Acabou na frase do filme: “divórcio, autópsia de um casamento”. E os cartórios a cada dia ganham novos clientes.

Agora entendi o filme que estava assistindo.

Leia mais  Sem festa?

A vida mostra que há solução simples e sem custos ao casal para não haver autópsia no casamento. Conheço muitos casais que fizeram ou fazem o exercício diário que conto neste final de artigo. A harmonia conjugal se traduz em busca de prazer e alegria de conviver a dois. Para isso é necessária à vontade do casal em caminhar junto nas alegrias e tristezas, saúde e enfermidades, com dinheiro e sem grana. Os especialistas afirmam que os corações do casal devem ser conduzidos por uma espiritualidade conjugal que os levem a orar diariamente, sem vergonha de pedir a intercessão divina nas suas decisões. Estou lendo o livro “Casamento, uma aliança em quatro estações”, de Mary Van Balen Holot, editora Santuário. Em trecho, diz: “Encontramos o Senhor em lugares nunca sonhados: numa mamadeira às duas da manhã, em dificuldades profissionais, em problemas na escola, em partilhas íntimas, e nos conflitos”. Conheço em Sorocaba, o casal Maraíza e José Alfredo Andrade, com 44 anos de casados e participantes de movimentos de casais há 40 anos. Com objetivo de ajudar e orientar a espiritualidade conjugal, esse casal criou uma página na rede social www.facebook.com/universidadedocasal para facilitar a comunicação de pessoas em busca de orientação que os levem a ter uma harmonia conjugal, sem autópsia. Fácil de acessar, a página tem um alcance de milhares de visualizações.

Vanderlei Testa é jornalista e publicitário e escreve quinzenalmente às terças-feiras no Jornal Cruzeiro do Sul. Aos sábados, no www.facebook.com/artigosdovanderleitesta

Comentários