Artigos

A importância da economia criativa e seu potencial para os negócios em Sorocaba

José Crespo

A economia criativa está se configurando em um dos mais dinâmicos conjuntos de atividades produtivas do mundo. Na esteira desse processo, que é diretamente associado às profundas transformações ocorridas na economia mundial desde a década de 70 do século passado, muitas cidades vislumbraram novas possibilidades de desenvolvimento econômico. Alinhada com tal perspectiva, Sorocaba, a partir do nosso governo, reconhecendo esse potencial, iniciou um trabalho nunca antes feito, o de intensificar as ações voltadas à economia criativa e de torná-la um dos setores estratégicos para o desenvolvimento econômico-social e para a geração de renda em nosso município.

Economia criativa é o conjunto de negócios baseados no capital intelectual e cultural e na criatividade que gera valor econômico. A indústria criativa estimula a geração de renda, cria empregos e produz receitas de exportação, enquanto promove a diversidade cultural e o desenvolvimento humano. A economia criativa abrange os ciclos de criação, produção e distribuição de bens e serviços que usam criatividade, cultura e capital intelectual como insumos primários.

Nesta administração, criamos o Comitê Gestor de Economia Criativa, que, formado por universidades, produtores culturais, Sebrae, secretarias da Prefeitura de Sorocaba e entidades interessadas nesse segmento, tem como objetivo fomentar iniciativas da economia na cidade. Neste próximo mês de abril o Parque Tecnológico de Sorocaba (PTS) deverá contar com uma Escola de Economia Criativa, que oferecerá cursos de forma gratuita para toda a região, tendo como principal objetivo capacitar e formar novos profissionais.

A escola ocupará um amplo espaço nas dependências do Parque Tecnológico, cuja estrutura já está toda adaptada. Ela reunirá diversos cursos, tais como: Gerenciamento de Redes Sociais, Programação Básica, Curso de Montagem de Drone, Curso Básico de Realidade Virtual, Curso Básico de Impressora 3D, Ferramentas Google Works, Edição de Vídeo, Fotografia & Photoshop e muito mais.

Leia mais  O novo normal

Nosso governo, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Turismo e Renda (Sedetter), também deu início à realização de um mapeamento de mercado da economia criativa em Sorocaba. Esse mapeamento irá possibilitar nos dar um norte ainda maior para a implantação de ações que beneficiem e ampliem esse setor.

Segundo os dados da pesquisa “Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil — Edição 2019”, elaborada pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), o mercado de trabalho abriu 24.500 vagas para profissionais com esse perfil em dez profissões da economia criativa. O levantamento reflete as transformações da nova economia, caracterizada por novos modelos de negócio, hábitos de consumo e relações de trabalho.

O mercado de trabalho criativo no país reúne 245 mil estabelecimentos e 837,2 mil profissionais, sendo que a participação do PIB Criativo no PIB Brasileiro representa a soma de R$ 171,5 bilhões. Na cidade do Rio de Janeiro, os segmentos que compõem a cadeia da economia criativa respondem por cerca de 11% dos empregos e 10% da massa salarial gerada ao ano, revelando uma participação considerável do segmento na economia carioca. Ou seja, os números demonstram que as ações que estamos implementando em Sorocaba estão no caminho certo.

Nosso Parque Tecnológico vem ganhando cada vez mais destaque no território nacional. Nos últimos dois anos de atividade do Parque, cerca de 50 empregos de alta qualidade foram gerados, mais de 70 startups foram apoiadas. Além disso, mais de 90 patentes foram criadas dentro do Parque Tecnológico.

Leia mais  Crise pode significar novas oportunidades

Com uma área disponível de 1,8 milhão de m² e mais de 12 mil m² de área construída, o Parque, que está localizado ao final da avenida Itavuvu, na zona industrial de Sorocaba, possui uma vantagem a mais quando se fala em instalação de empresas. Isso porque, em julho 2018, a Câmara Municipal aprovou por unanimidade o projeto de Lei 174, que prevê isenção e incentivos fiscais para empresas, universidades e institutos de pesquisas públicas ou privadas que decidirem se instalar no Parque. A denominada “Zona Franca da Inovação” oferece o maior número de benefícios possível a seus interessados, trazendo os olhares de grandes investidores para o município.

Os estudantes também têm destaque nas atividades que o Parque desenvolve. Além da presença de universidades, como Facens, Fatec, Uniso, USP, UFSCar, Esamc, Unesp e a UniNove — que em breve deve implantar uma unidade no local –, os universitários são considerados uma das chaves para a descoberta de novas tecnologias, uma vez que pertencem a uma geração inovadora.

Leia mais  As academias de ginástica e o seu novo formato depois da pandemia

José Crespo é prefeito de Sorocaba.

Comentários