Artigos

A fé e o amor unem e aproximam as pessoas

Artigo escrito por Lucimeire Tomé, psicóloga/pedagoga e mestranda pela Uniso

Lucimeire Tomé

No mês de setembro, meu marido e eu tivemos a oportunidade de conhecer o Santuário de Fátima, em Portugal. Passeio inesquecível.

O lugar com certeza é maravilhoso, mas o que mais nos chamou à atenção é a diversidade de pessoas que ali se encontram.

Participamos de momentos de peregrinação, entre eles a missa e o rosário. Presenciamos um verdadeiro espetáculo religioso e de fé. Aquela imensidão de pessoas vindas do mundo inteiro rezando a mesma oração — Pai Nosso e Ave Maria e cada um orando no seu idioma, mas com o mesmo ardor na fé. Cena que jamais apagará de nossas mentes. Tivemos a mesma percepção de como a fé e o amor unem as pessoas. Todos estavam ali pelo mesmo Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo e sua Mãe e nossa Mãe Maria.

Havia uma sinergia indescritível e um sentimento de ternura que envolvia as pessoas. Todos que estavam ali sentiam-se irmãos, filhos do mesmo Deus e eram gentis uns com os outros. O amor que Jesus pede que sintamos uns pelos outros acontecia naquele momento e naquele lugar. Nos sentimos cuidados de pertinho pela Nossa Mãe. E que sensação boa saber que temos uma Mãe e que podemos recorrer a ela nos momentos de desespero e angústia.

Leia mais  Vírus perde, vírus ganha

Podemos dizer ainda que sentimos esse amor entre irmãos por toda a cidade de Fátima. Realmente o lugar que Nossa Senhora apareceu aos pastorinhos em 1917, é um lugar abençoado. Quero relatar aqui um fato ocorrido no último dia. Fato que me impressionou e fortaleceu ainda mais a minha fé. No primeiro dia em Fátima, parei na primeira loja (são muitas!) e comprei medalhinhas. Pensei ter pago caro nas medalhinhas e também achei que a moça que vendeu zombou de nós, pois éramos turistas e talvez estivéssemos pagando um valor maior em algo que valia menos. Vi na vendedora um olhar e sorriso maroto e comentei com meu marido. Pensei ainda como aquele lugar, onde se vendiam os objetos poderiam ser apenas de comércio e que as pessoas que ali estavam trabalhando não necessariamente tinham fé. Posso dizer que no pensamento julguei aquela vendedora e todos os outros que ali realizavam seus trabalhos.

Bom, os dias se passaram e no último dia e no último momento me dei conta que o colarzinho que havia comprado para uma de minhas netas não tinha o pingente do anjo da guarda e para piorar, a maioria das lojas já estavam fechadas e aproximava-se a hora da última bênção dos objetos, pois no dia seguinte iríamos embora logo cedo. Fiquei chateada com a situação. Queria presentear as minhas duas netinhas da mesma forma e com a imagem do anjinho da guarda abençoado. E aí começou minha entrada nas lojas que ainda restavam abertas, mas ninguém tinha pra colocar na hora. A bênção já ia acontecer. Estávamos atrasados. Meu marido tinha me desanimado, esquece, diz ele. Agora já foi.

Leia mais  Humor em tempos de peste

Nesse momento entrei na última loja, pois o Rosário já iria iniciar. Para minha surpresa essa loja era a mesma que conheci logo que cheguei em Fátima onde comprei as medalhinhas. A moça que veio me atender era a mesma que outrora julguei precipitadamente.

Bem, a vendedora veio ao meu encontro oferecendo ajuda. Expliquei a situação e pensei comigo, se tiver a medalhinha ela irá cobrar bem caro. Porém como eu queria muito já estava preparada e iria realizar o prejuízo.

A moça rapidamente me ajudou a escolher um anjinho da guarda, tirou-o de um colar que estava pronto e montou o colarzinho da minha netinha como eu queria. Tudo muito rápido. Perguntei o valor da medalhinha e ela olhando nos meus olhos e sorrindo me disse: não vou lhe cobrar nada, só peço que se puder reze uma Ave Maria por mim.

Saí da loja atordoada e ao mesmo tempo emocionada. Pensei como Nossa Mãezinha é cuidadosa e caprichosa. Claro que não gostaria que saísse de sua casa com impressões ruins. Mostrou através daquela pessoa qual é o verdadeiro sentido daquele lugar. Voltei correndo à loja.

Leia mais  Glória nos Céus e paz na internet

Moça, como é o seu nome? Sorrindo ela me disse: meu nome é Sonia.

Rezei não só uma Ave Maria para Sonia, mas ofereci todo o Rosário para todas as Sonias que ali trabalham e dedicam o seu fazer à Nossa Senhora e aos irmãos que passam por ali vindo de todos os cantos do mundo. Santuário de Fátima, lugar abençoado pelo amor de Maria. Nosso amor e gratidão a Deus eternamente!

Lucimeire Tomé é psicóloga/pedagoga e mestranda pela Uniso.

Comentários