Motor

Kia Motors lança no Brasil o esperado compacto Rio

O modelo teve 6,7 milhões de unidades vendidas ao redor do mundo a partir de seu lançamento, no ano 2000
O carro tem um visual moderno, mas sem exageros. Crédito da foto: Adalberto Vieira

A Kia lançou na noite desta segunda-feira (27) seu esperado hatch compacto Rio, um carro que é sucesso internacional, com 6,7 milhões de unidades vendidas ao redor do mundo a partir de seu lançamento, no ano 2000. O carro já esteve exposto nos estandes da Kia Motors em duas oportunidades no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, em 2016 e 2018, mas somente agora sua importação foi viabilizada, lembrou José Luiz Gandini, presidente da Kia Motors do Brasil. O carro que começa a ser vendido no Brasil foi projetado pelos estúdios de Design da Kia na Europa e nos Estados Unidos, em colaboração com a base de Design de Namyang, na Coreia do Sul. O carro é produzido na fábrica da Kia da cidade de Pesquería, no México, e chega ao Brasil unicamente na configuração hatchback.

A atual versão do Kia Rio tem um desenho bonito e reúne em doses certas um bom acabamento, conectividade, desempenho e uma boa quantidade de recursos de segurança e conveniência. O Rio chega às concessionárias em duas versões, a LX, que tem preço sugerido de R$ 69.990 e EX, que custa R$ 78.990, ambas com motor 1.6l flex e câmbio automático de seis velocidades.

O carro tem um visual moderno, mas sem exageros. Tem linhas firmes e marcantes o que lhe dá um visual sofisticado. Na parte frontal a grade em formato de “nariz de tigre”, uma assinatura visual da marca, tem acabamento em black piano e se une aos faróis para uma aparência mais agressiva. Na traseira as lanternas são finas e o visual reforça a sensação de estabilidade. As medidas são generosas para um hatch: tem 4.065 mm de comprimento, 1.450 mm de altura e 1.725 mm de largura. O que chama a atenção é o entre-eixos de 2.580 mm, um dos maiores da categoria, e que resulta em amplo espalho interno. O porta-malas acomoda 325 litros de bagagem.

As duas versões, LX e EX, são equipadas com rodas de liga leve de 15 polegadas e pneus 185/65. A central multimídia de 7 polegadas sensível ao toque também é a mesma nas duas versões. Na versão EX o ar-condicionado pé automático digital, os bancos, volante e alavanca de transmissão são revestidos em couro, apoios de braço em soft touch nas quatro portas e saída USB para os assentos traseiros.

O Kia Rio tem um motor 1.6l 16V flex de quatro cilindros com comando duplo variável (Dual CVVT). Bastecido com etanol ele propulsor rende 130 cv de potência a 6.000 rpm e entrega 16,5 kgfm de torque a 4.700 rpm.

A plataforma do Rio é maior que a da versão anterior e sustentada por suspensão atualizada. Aliás, dois pontos muito elogiados no modelo são a suspensão e o isolamento acústico. Câmbio automático de 6 marchas conversa muito bem com o motor aspirado, resultando em respostas rápidas e silenciosas.

O carro tem bons recursos de segurança, entre eles câmera de ré com gráfico auxiliar de manobra e visor no sistema multimídia, direção elétrica progressiva, air bags frontais, freios com ABS / EBD, controles eletrônicos de estabilidade (ESC) e de tração (TCS), sistema de gerenciamento de estabilidade veicular (VSM), sensor de monitoramento de pressão dos pneus (TPMS), controle de frenagem em curvas (CBC), assistente de partida em rampa (HAC), acelerador tipo Drive by wire (eletrônico), acendimento automático dos faróis, sistema imobilizador de condução, sistema Isofix, destravamento automático das portas em caso de colisão e vidros, retrovisores e travas elétricas.

Na versão EX, a segurança é reforçada por recursos como luz diurna de navegação (DRL) em LED, faróis com SBL (luz de assistência de manobra) e espelhos retrovisores externos elétricos, com rebatimento automático, setas integradas de LED e aquecimento.

O Kia Rio chega em boa hora para disputar espaço no segmento que mais vende no mercado brasileiro, o dos veículos compactos, onde enfrentará concorrentes de peso como Volkswagen Polo, Toyota Yaris, Fiat Argo e Hyundai HB20. (Adalberto Vieira)

Comentários