SOROCABA E REGIÃO

Mães de alunos reclamam da falta de professores na rede estadual


Mães de alunos que estudam em duas escolas estaduais de Sorocaba reclamam da falta de professores em várias disciplinas. Na Escola Estadual Julio Bierrenbach, no Jardim Santa Rosália, os alunos do ensino médio estariam com aulas vagas diariamente nas matérias de física, química e matemática. Já na Escola Estadual Francisco Coccaro, no Éden, uma mãe relata que desde fevereiro a turma de seu filho, que está no 9º ano do ensino fundamental, está sem professor de matemática. Uma colega de sala é que tem auxiliado os demais com a matéria.

A Diretoria de Ensino de Sorocaba afirma que as aulas das disciplinas de física e química no Bierrenbach estão ocorrendo normalmente. Na disciplina de matemática, a professora saiu em licença na semana passada e as aulas serão atribuídas hoje a um novo profissional, conforme a Diretoria de Ensino.

Sobre a Escola Estadual Francisco Coccaro, a diretoria informou que dos cinco docentes efetivos da disciplina de matemática, três estão em licença saúde, sendo que duas professoras devem retornar na próxima semana. A outra docente, em licença saúde desde fevereiro, já teve suas aulas atribuídas por um professor da mesma área.

Ainda de acordo com a Diretoria de Ensino, as duas escolas citadas possuem, cada uma delas, dois professores eventuais à disposição para cobrir faltas pontuais de docentes. "Qualquer conteúdo que tenha deixado de ser ministrado integrará o calendário de reposição de aulas das unidades", informou.

A mãe de uma aluna da escola Bierrenbach conta que está pagando por aulas particulares de química, matemática e física como preparação para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e vestibulares, mas se preocupa com os outros alunos pois nem todos os pais têm condições para isso.

Tanto ela como a mãe do estudante da Francisco Coccaro reclamam que seus filhos estão indo à escola, mas ficam sem aulas e sem aprender os conteúdos necessários para as provas que terão de enfrentar. Elas reivindicam que os professores sejam efetivos e não substitutos. "Porque os substitutos se limitam a passar alguma atividade, desenho ou exercício apenas para cobrir a falta do professor efetivo, mas o que passam muitas vezes não tem a ver com a matéria", diz a mãe da aluna do Bierrenbach.

No Bierrenbach, aliás, a mãe conta que desde o início do ano letivo, todos os dias a sua filha teve aulas vagas. "Teve dia que minha filha teve cinco aulas vagas", diz. "Hoje (ontem) ela ficou sem as aulas de português e de geografia. Aliás, já são três dias seguidos sem aulas de português", comenta.

O nome das mães foi preservado a pedido delas.