SOROCABA E REGIÃO

Morre mulher que teve parto de urgência em saguão de prédio


Faleceu nesta quarta-feira (16) Janaína Gonçalves, de 28 anos, que deu à luz em parto emergencial no saguão de um prédio comercial no Jardim Vergueiro. O parto ocorreu na segunda-feira (14). Ela estava internada no Conjunto Hospitalar de Sorocaba. As causas das morte não foram informadas.

O falecimento foi divulgado por parentes de Janaína em uma rede social. Amigos lamentaram o fato. Uma prima contou ao Cruzeiro do Sul que estava "abalada e sem chão" com a situação. O perfil de Janaína recebeu dezenas de mensagens de lamento e muitas delas de apoio à família.

Parto emocionante

A médica ginecologista e obstetra Adriana Aparecida Dias dos Santos, que atendeu Janaíana na segunda-feira, descreveu o parto como o "mais emocionante e em condições adversas" de toda a sua carreira. "Tudo ocorreu em uma situação fora da normalidade, mas foi necessário para tentar salvar as vidas de mãe e filha", contou. Janaína havia tido uma consulta com a médica pouco antes do parto. Ela passou pela consulta de pré-natal, mas teve a recomendação da médica de procurar uma unida hospitalar devido à a sua pressão elevada. A gestação tinha 38 semanas.

Segundo Adriana, Janaína passou pela consulta de pré-natal no consultório situado no sexto andar do prédio na avenida Juscelino Kubitschek de Oliveira. Durante o atendimento, a obstetra constatou a elevação da pressão arterial e pediu para a paciente procurar uma unidade hospitalar. A paciente deixou o consultório ao lado do marido, com uma carta de recomendação da médica, mas se sentiu mal no saguão do prédio e caiu. No chão, ela começou a convulsionar. Nesse momento, o funcionário da portaria entrou em contato com Adriana. A médica desceu até o térreo e começou o atendimento.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado para socorrer a paciente, juntamente com o serviço 193 do Corpo de Bombeiros. Durante a espera, a mulher teve uma segunda convulsão seguida por uma parada cardiorrespiratória. Foi então que Adriana, de joelhos, fez durante 20 minutos a manobra de reanimação. "Precisava que fosse sangue para o bebê", contou a médica.

Vários procedimentos foram realizados pela médica. A paciente de 28 anos, já sem o batimento cardíaco, foi submetida a uma cesária com o auxílio de uma lâmina de bisturi e teve a criança retirada do útero com vida.