ARTIGOS

Dinheiro é bom e a educação agradece


Sergio Dias Campos

Educação é a chave para um bom futuro, que pode ser visto agora em outras nações que investem nela faz tempo. Ela permite que saiamos do lado pobre da estatística dos países que investem em educação. O ensino de ciências é a porta de entrada para a sociedade tecnológica em que vivemos. Você pode até entrar pela janela, mas todo mundo vai perceber.

A falta de investimentos adequados e o contingenciamento de verbas em ciência, tecnologia e informação têm maltratado demais o desenvolvimento científico e tecnológico brasileiro. Nos comparar com o resto do mundo, embora nem sempre seja adequado, pode ajudar a nos vermos com certo distanciamento ideológico, às vezes necessário.

Podemos bater na velha comparação Brasil-Coreia do Sul, guardadas as devidas proporções geográficas e culturais. Nos anos de 1960 o Brasil apresentava uma renda per capita de cerca de 1.800 dólares enquanto que os sul-coreanos tinham renda de 900 dólares. Hoje, estamos batendo na casa dos 10 mil dólares e eles em 32 mil. Perdemos o bonde, parece. Claro, você pode dizer que comparar países tão díspares em tamanho e população é covardia. Davi bate Golias.

Por outro lado, nos compararmos a países de mesmo tamanho e população é pior porque perdemos mais feio ainda. Veja a China. É sabido e ressabido que os chineses estão anos-luz à frente do Brasil em termos de investimentos em ciência e tecnologia. Basta pegar como exemplo a Administração Espacial Nacional da China, criada em 1993, cujo braço executivo é a Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China, criada em 1998. Em 20 anos de existência, a Corporação já conseguiu realizar diversos voos e levar vários astronautas ao espaço. Já por aqui, a Agência Espacial Brasileira, criada em 1994, vai muito mal das pernas. E com certeza isso não se deve à qualidade das pessoas que lá trabalham. Se deve, dura realidade, à falta continuada de projetos com investimentos continuados. Não se pode investir 100 milhões num ano e depois ficar 5 anos apenas com verba de custeio. Não dá. Tudo vira sucata.

Se nos compararmos com a Rússia, perdemos mais ainda porque eles herdaram uma formidável estrutura da antiga União Soviética. Já começaram muito, muito na frente.

Mas o que todos estes países têm em comum? O investimento em educação, ciência, tecnologia e informação é constante e há a percepção real de que isto não é um gasto. É investimento pesado num futuro que pode e deve ser construído da melhor maneira possível. Fazer isto evita por exemplo, gastos excessivos com saúde não preventiva. Sabe-se que nos Estados Unidos, para cada grupo de 100 mil habitantes, morrem cerca de 655 pessoas sem diploma universitário e apenas 239 com diploma de curso superior ou mais. O simples uso do cinto de segurança pode estar relacionado ao nível educacional dos usuários de veículos e isto pode salvar vidas. Claro, há exceções. Da mesma forma, uma população com acesso a uma educação de qualidade saberá reivindicar melhor saneamento básico, políticas sociais e por aí vai.

Tenho a impressão de que nós tupiniquins batemos cabeça, faz décadas. Há verba num ano e no ano seguinte é considerado normal que não haja mais ou que haja cortes brutais que inviabilizam a continuidade do que já foi feito. E pronto. Fica tudo ao deus-dará. Esta é uma forma pouco inteligente de agirmos porque o futuro vem e nos atropela com altíssimos índices de analfabetismo, violência e falta de saneamento básico. Ou seja, não construímos o futuro que queremos e depois temos o desplante de nos espantarmos com isso lá na frente, quando Inês já morreu.

O professor Sergio Dias Campos é diretor do Centro de Ciências e Tecnologia para a Sustentabilidade - e-mail: sergiodc@ufscar.br