SOROCABA E REGIÃO

Reator Multipropósito deve iniciar sua operação em 2023


O Reator Multipropósito Brasileiro (RMB), que será localizado em Iperó, na Região Metropolitana de Sorocaba (RMS), tem início de operação previsto para 2023. A informação foi divulgada pela Marinha do Brasil em nota que informa que Brasil e Argentina assinaram, em 21 de dezembro de 2017, o contrato que define a participação dos dois países no projeto do RMB. As negociações que resultaram nessa parceria foram concluídas durante a 51ª. Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados, realizada em dezembro.

O RMB será o segundo reator que entrará em operação em Iperó. O outro reator será o do Centro Experimental Aramar, que faz parte do projeto da Marinha de construção do primeiro submarino brasileiro movido a propulsão nuclear. A localização do RMB será vizinha aos limites de Aramar. Enquanto o reator de Aramar fará parte das pesquisas do submarino, o RMB terá como principal característica a produção de substâncias com emprego na medicina e na indústria farmacêutica. Essas substâncias recebem o nome técnico de radioisótopos, também conhecidos como isótopos radioativos. Caracterizam-se por ter núcleo atômico instável. E emitem energia no processo de transformação em isótopo mais estável. A energia libertada nesse mecanismo pode ser chamada de partícula alfa, partícula beta ou radiação gama.


Em 2013 Iperó sediou audiências públicas para esclarecer dúvidas sobre o projeto do RMB - FÁBIO ROGÉRIO/ARQUIVO JCS (23/10/2013) Em 2013 Iperó sediou audiências públicas para esclarecer dúvidas sobre o projeto do RMB - FÁBIO ROGÉRIO/ARQUIVO JCS (23/10/2013)


As aplicações, entre outras finalidades, podem ser feitas na medicina e na datação radiométrica. Como exemplo, o isótopo radioactivo tálio pode identificar vasos sanguíneos bloqueados em pacientes sem provocar algum tipo de dano.

Projeções positivas

De acordo com análise da Prefeitura de Iperó em maio do ano passado, o RMB será um novo centro de pesquisa e desenvolvimento que vai trazer para a cidade empregos de níveis técnico e superior, além de atrair pesquisadores de todo o país e do exterior. Será o centro de produção de radioisótopos com os quais serão produzidos radiofármacos utilizados em todo país, substituindo as importações e gerando exportações. Além disso, permitirá a realização de exames de imagem em pacientes de diversas patologias, inclusive câncer, e a realização de tratamentos como a radioterapia.

Na análise da Marinha, "o RMB trará benefícios sociais importantes para a sociedade brasileira, pois garantirá a produção autônoma de radioisótopos, principalmente, o Molibdênio-99, permitindo a ampliação do uso da medicina nuclear no Brasil". Hoje, acrescenta a Marinha, o País depende, integralmente, da importação do insumo para a produção de radiofármacos, utilizados, entre outros, no combate ao câncer: "O reator auxiliará, ainda, projetos na área científica, por meio da utilização de feixes de nêutron para a pesquisa e testes de materiais combustíveis nucleares."

Também segundo a Prefeitura de Iperó, o RMB terá um custo de US$ 500 milhões. O cronograma financeiro e de obras do projeto foi apresentado em reunião no dia 3 de abril de 2017, no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, com a participação de autoridades representantes da Prefeitura de Iperó e dos governos estadual e federal. Em 2013, audiências públicas realizadas em Iperó, Sorocaba e São Paulo discutiram e esclareceram as dúvidas sobre o projeto do Reator Multipropósito.