CARTAS

Maurício Caruso


Passado pouco mais de um mês do falecimento do meu amigo Maurício Caruso, começo a me dar conta da magnitude da sua figura, que transcende a imagem pública do investigador, do policial militar e do primeiro comandante da Guarda Civil Municipal de Sorocaba.

Poucas pessoas na história podem ser representadas pela palavra coragem. E, indubitavelmente, este era um atributo que meu amigo, de aspecto sempre tão sério e sisudo, trazia consigo.

Longe de pretender desmistificar a figura pública do Caruso, sou tomado por uma imensa saudade e a necessidade de compartilhar que meu amigo tinha uma qualidade, a qual se sobrepunha a qualquer outra: generosidade.

Generosidade traduzida nas oportunidades dadas aos demais companheiros; no compartilhamento dos elogios; na abdicação dos momentos de folga, para ajudar o próximo; da renúncia das horas em família, para se dedicar aos jovens; na busca do reconhecimento público dos valores de seus parceiros; enfim, em todas as vezes que ele abriu mão de si mesmo e de ter momentos exclusivos com poucos, para ter períodos inteiros, estar na presença de muitos.

Apenas alguns privilegiados tiveram a oportunidade de conviver com o Caruso em seu círculo mais íntimo e muito me orgulho em me encontrar em seleto grupo. Infelizmente, passo a ter a consciência de que não mais poderei gozar de momentos com meu amigo Caruso, mas eu posso afirmar, com muita honra, que a sua amizade e seu exemplo me tornaram uma pessoa melhor e, muito do que hoje eu sou devo às oportunidades concedidas por ele e seus conselhos.

Descanse em paz, meu amigo.

CARLINHOS MUNHOZ


FOGOS DE ARTIFÍCIO

É preciso deixar um recado aos vereadores para que, quando forem avaliar uma matéria em 2018, tenham sempre em mente os benefícios que ela trará para a cidade e para o povo sorocabano. Parar de aprovar projetos que só servem para gastar tempo e dinheiro. Reduzir os projetos de nome de rua e de títulos de cidadão. Esse negócio dos fogos, por exemplo, mexeu com uma tradição de 100 anos. Será que ninguém se tocou para delimitar os fogos apenas para eventos festivos e esportivos?

JOSÉ ROBERTO ALMENARA