Na Mochila

Dor de ouvido é comum em crianças no verão, mas merece cuidados


Mais um tema próprio das férias são as infamações ou infecções infantis que nós pais enfrentamos como consequência do calor, da piscina, do sol. E não poderia ser diferente. Afinal, não dá pra privar as crianças de se divertirem nessa época deliciosa do ano.
 
Só que alguns problemas especificamente merecem muita atenção, como a otite. A inflamação do ouvido muitas vezes é proveniente de resquícios de água do mar ou da piscina, que acabam deixando o ambiente úmido e propício para o crescimento de bactérias e fungos.
 
É claro que um dos sintomas que mais incomodam os pequenos é a dor. A criança chora e a região pode até mesmo ficar avermelhada. Para tirar a dúvida, basta encostar ou apertar a orelha, que a criança dará um sinal caso seja mesmo otite.
 
Nos bebês, o diagnóstico pode ser mais difícil, porque eles não conseguem se expressar. Mas os pais podem perceber alguns comportamentos. “Quando for mamar ou comer, em um quadro de otite, na hora de engolir pode doer e a criança exprimir isto chorando, principalmente nos casos de otite média ", explica o médico Jairo Barros do Instituto Brasiliense de Otorrinolaringologia (IBORL).
 
O que fazer?

Casos de otite devem ser sempre avaliados por um especialista. Mas, antes de ir ao médico, dá para amenizar a dor fazendo uma compressa morna e colocando no ouvido externamente.
 
Quando percebido o incômodo na orelha, nem pense em colocar cotonetes para limpar dentro do ouvido no intuito de melhorar. Isto pode causar perfuração do tímpano. “Cotonetes, grampos, pontas de caneta... nada disso deve ser introduzido no ouvido. Além de ferir, pode ser porta de entrada para diversas infecções", alerta o especialista.
 
Como não há prevenção para a inflamação, a orientação médica é cuidar do ouvido após o contato com a água. "Às vezes, no consultório, quando examinamos a orelha da criança é comum encontrarmos grãos de areia dentro. Esses corpos estranhos podem machucar o ouvido e trazer infecções", explica o otorrinolaringologista. Por isso, depois da brincadeira na água, durante o banho, é importante lavar a parte externa da orelha com água corrente para tirar o excesso de areia ou até mesmo de cloro, geralmente encontrado em piscinas.
 
Identificados os sintomas, os pais devem procurar imediatamente um pronto-socorro pois, se não tratada, a otite pode comprometer até mesmo a audição. Uma vez com otite, as crianças não podem ter nenhum contato do ouvido com a água até serem examinadas adequadamente por um médico para que o tratamento seja iniciado corretamente.
 
Lucy De Miguel é jornalista especializada em primeira infância e autora do blog Na Mochila.
lu@namochila.com