REFLEXÃO

Ponha-se ao alcance da compaixão


Geraldo Bonadio
Seria absurdo se você esperasse o dente parar de doer para consultar o dentista; o osso fraturado se recompor antes de buscar o traumatologista; a data do exame passar e só depois buscar, junto ao professor, esclarecimentos a propósito da matéria que escapou ao seu entendimento. Agindo com sensatez, vai em busca de esclarecimento, apoio, socorro ou ajuda à medida em que as necessidades se fazem sentir, sem disso se envergonhar. Sabe que vulnerabilidade e limitações fazem parte da condição humana.

Entretanto, ao sentir-se prisioneiro do erro, do vício e das tendências perversas, reluta em abrir a porta do seu coração a Jesus, mesmo tendo plena consciência de que é incapaz de subtrair-se ao controle do vício, libertar-se a si mesmo e, sem cooperação de outrem, pôr-se de pé e mover-se pelas próprias pernas.

Tudo isso que o envergonha e o espezinha, porque, no fundo, compromete o seu orgulho e a sua autoimagem, deveria levá-lo a buscar o Cristo imediatamente, pela oração, leitura da Palavra e acolhimento aos apelos que, através da vida, ele lhe dirige. Se você não consegue escapar, sem ajuda, a uma simples cárie, como quer libertar-se por si mesmo dos problemas que afetam o seu espírito? Aja sensatamente, permita que a compaixão do Altíssimo concorra para alcançar a estatura moral reservada a você por ele.

"Mas Jesus (...) disse: "Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas os doentes. Ide pois aprender o que significa: É a misericórdia que eu quero, não o sacrifício. Pois eu vim chamar, nãos justos, mas os pecadores"."

Evangelho de Mateus 9:12-13 Tradução Ecumênica da Bíblia
Geraldo Bonadio é jornalista. geraldo.bonadio@gmail.com