ARTIGOS

Natal-Ternura


Aldo Vannucchi
Neste Natal, eu quero a noite mais linda que houver, para sentir, no mistério do nascimento do Menino Jesus, o sublime presente dos meus três netinhos nascidos ao longo deste ano. Se Ele ao nascer formou com Maria e José o trio que semeou no mundo certezas de salvação, esses três netinhos queridos vieram plantar entre nós as mais preciosas sementes de alegria e de amor.

Neste Natal, pensando no Menino Deus e nestes meninos meus, a primeira estrela que vier eu quero que seja a estrela-guia de um novo amanhecer de esperança, para que os descrentes creiam e os céticos sonhem e os cansados sorriam.

Neste Natal, quando esse Menino recebeu mil carícias de sua mãe e o doce olhar de seu pai, eu quero essa paz celestial de criança dormindo, para a felicidade de todos os lares em que brotou o milagre de novas vidas durante este ano bendito.

Neste Natal, quero o abandono de mil flores se abrindo, para enfeitar o berço de todos os pequeninos, especialmente os mais fracos e os mais esquecidos, sob a cálida luz dessa noite sem par, em que o Salvador, para nós todos nasceu.

Neste Natal, vendo os pastores e os magos, ontem embevecidos naquela manjedoura de Belém, e vendo hoje todos os que caminham, no escuro da noite, à procura da luz, eu quero a alegria de um barco voltando de um mar de dúvidas e incertezas, para fincar esperanças no porto seguro da fé em Jesus.

Neste Natal, de noite plácida e piedosa, eu quero a ternura de todas as mãos se estreitando, para que, em paz e harmonia, sonhemos um mundo novo de irmãos, que vivam seguindo os passos do Deus encarnado, que ergueu sua morada no meio de nós.

Neste Natal, eu quero o amor, o amor mais profundo, por quem se fez homem para estar conosco, Ele tão grande na sua pequenez, nós tão pequenos em nosso pensar, fazer e agir.

Neste Natal, eu quero toda a beleza do mundo, a beleza da flor, o brilho das estrelas e o repicar dos sinos, porque apareceu uma luz doce e perfeita que abre caminhos para o mundo poder ser melhor.

Neste Natal, como é bom ouvir, em todos os cantos da terra, crianças, jovens e adultos, vozes de todos os tempos, cantando ao menino que nasceu em Belém, longe de casa, como um sem teto, Deus da luz, que veio a nós todos salvar.

Neste Natal, eu sinto e lamento que haja milhões que não curtem a beleza deste aniversário natalício tão especial, e me pergunto até quando esse bem máximo vai demorar a chegar ao coração desses nossos irmãos.

Neste Natal, eu já nem sei se todos teremos no olhar aquela ternura que Ele nos quer dar, ternura do Filho de Deus que nos transforma em filhos de Deus também, porque Ele se fez nosso irmão.

Nesta noite santa de Natal, noite do nosso bem, noite do nosso maior bem, o Verbo que se fez carne se torna o maior presente oferecido a todos nós. Por esse divino presente, digamos e tenhamos todos um feliz Natal, um felicíssimo Natal!

Aldo Vannucchi é mestre em Filosofia e Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma e licenciado em Pedagogia. Autor de diversos livros, foi professor e diretor da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Sorocaba (Fafi) e reitor da Universidade de Sorocaba (Uniso) - aldo.vannucchi@uniso.br