INFORMAÇÃO LIVRE

Vereador cobra Prefeitura sobre uso de carro oficial para compras


O vereador Péricles Régis (PMDB) protocolou um requerimento questionando a Prefeitura sobre o uso de um veículo da frota oficial de forma indevida. Conforme noticiado pelo Cruzeiro do Sul na última sexta-feira, um funcionário público foi flagrado às 14h20 da última quinta-feira numa loja de roupas em Votorantim com o automóvel. A Prefeitura já anunciou que irá apurar o caso. Na semana passada o vereador Renan Santos (PCdoB) questionou a Prefeitura sobre um carro da frota avistado num domingo na rodovia Castelo Branco.


Estado responde

A Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo disse ser indevida a cobrança feita pelo deputado Raul Marcelo (Psol) acerca de repasses para o Hospital Regional de Itapetininga. Na semana passada, o parlamentar anunciou a cobrança alegando que repasses para a unidade estariam em atraso. O Estado defende, porém, que o hospital é de gestão municipal, cabendo à Prefeitura o pagamento do quadro de funcionários. Ainda conforme a pasta, está previsto o repasse de R$ 2,7 milhões à Prefeitura de Itapetininga. Valores são destinados pelo Estado por conta de dois convênios (Pró-Santa Casa e Sustentáveis).

Meningite descartada

A Prefeitura de Porto Feliz negou os boatos que circulam nas redes sociais dando conta de que casos de meningite bacteriana teriam sido registrados na cidade. De acordo com a Secretaria da Saúde e a Vigilância Epidemiológica do município, alguns casos suspeitos foram identificados e monitorados, mas nenhum deles foi confirmado. Crianças menores de 5 anos e adolescentes com idades de 12 e 13 anos podem tomar a vacina contra a doença nas unidades de saúde de Porto Feliz.

Regularização Fundiária

A Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária (Sehab) de Sorocaba deve cadastrar até o segundo semestre de 2018 um total de 302 terrenos situados no Bairro dos Morros. A informação foi passada pelo titular da pasta, Fábio Camargo, em reunião com o vereador Wanderley Diogo (PRP) na semana passada. Moradores da região aguardam as escrituras há anos e atualmente o processo está sob responsabilidade do Programa Cidade Legal, do Governo do Estado de São Paulo.