REFLEXÃO

Do tempo da azagaia


Geraldo Bonadio
Existe, na família, um pacto entre gerações: os pais cuidam dos filhos até que possam comandar as próprias vidas; estes zelam pelos pais se a autonomia deles se vê limitada pela idade ou doença.

É aí que a roda pega. Ensina o poeta Teddy Vieira, em antológica moda de viola: "Conheço um velho ditado que é do tempo do zagai. / Diz que um pai trata dez filhos / dez filhos não trata um pai."

"Tempo da azagaia", explica André Luís Pianca, indica algo muito antigo. A expressão é corrente no Vale do Rio Tietê, de Itapetininga a Piracicaba -- "região dos cantadores de cururu, bate-pé, festa do Divino e Irmandade de São Benedito". Azagaia -- ou zagaia -- era uma lança de madeira, com mais de dois metros de comprimento e ponta de metal, usada por indígenas e caçadores como arma de manejo ou arremesso.

Ditados correm o mundo. O siciliano Francesco Russo recolheu, em sua ilha natal, variante assim grafada em dialeto: "Um padre, cento figli li può sostentare, ma cento figli um padre non lo possono sostentare". É o registro da mesma situação, em outro idioma: a recusa dos filhos, numerosos, de cuidar do pai que os sustentou quando crianças.

Essa quebra do pacto intergeracional é grave. Vários dos países conhecidos como "tigres asiáticos" não tinham, até data recente, previdência social. O sustento dos idosos cabia às famílias -- o que lhes permitiu maximizar o investimento. O mesmo ocorreu no Brasil, antes da aposentadoria do trabalhador rural. Se a família o descartava, restava ao idoso buscar o acolhimento em um asilo ou viver na rua.

Cuidar dos pais, para o seguidor de Jesus, mais que princípio ético, é um mandamento que, no Sinai, Deus ditou a Moisés -- e o único a que associou uma promessa de recompensa específica.

"Honra teu pai e tua mãe, conforme o Senhor, teu Deus, te ordenou, a fim de que teus dias se prolonguem e que sejas feliz sobre a terra que o Senhor, teu Deus, te dá."

Deuteronômio 5:17

Tradução Ecumênica da Bíblia