Cultura Mais Cruzeiro

‘Valsa nº 6’, de Nelson Rodrigues, estreia no Teatro Municipal

Monólogo de Nelson Rodrigues aborda o feminicídio e a violência de gênero
‘Valsa nº 6’ estreia no Municipal
Peça é interpretada pelo ator sorocabano Gui Miralha como parte do projeto “Quem é Sônia?”. Crédito da foto: Marceli Marques / Divulgação

Monólogo que narra a história de uma adolescente que tenta resgatar as lembranças do dia em que foi estuprada e assassinada, “Valsa nº6”, escrito por Nelson Rodrigues em 1951, permanece atual frente às alarmantes estatísticas de casos de estupro e feminicídio registrados no Brasil. Interpretada pelo ator sorocabano Gui Miralha e revisitada com olhar contemporâneo com direção de Ângela Barros, que também lança luz ao genocídio contra a população LGBT, “Valsa nº6” estreia nesta sexta (5), às 19h, com reapresentação às 20h30, no Teatro Municipal Teotônio Vilela (TMTV).

Leia mais  Cia. Clássica estreia montagem de 'Doroteia', de Nelson Rodrigues

 

A temporada prossegue sábado (6) e domingo (7) e nos dias 14 e 21 de julho, sempre às 19h e 20h30, com entrada gratuita. Todas as sessões contam com intérpretes de Libras e os ingressos serão distribuídos com uma hora de antecedência na bilheteria do TMTV.

A temporada faz parte do projeto “Quem é Sônia?”, idealizado por Gui Miralha, contemplado no edital de 2018 da Lei de Incentivo à Cultura de Sorocaba (Linc), que possibilitou a criação da Estação Plínio Nelson que, diferentemente de uma companhia de teatro convencional, é definida pelo jovem artista como “lugar de encontros, passagens e despedidas”, voltado à interseção de pesquisas sobre a obra de seus dois dramaturgos favoritos: Plínio Marcos e Nelson Rodrigues. “A ideia é poder trabalhar com outros diretores e envolver mais atores, sem necessariamente ter de se tornar um grupo fixo”, comenta o ator, que completa 26 anos na próxima semana.

A ideia de resgatar o texto de “Valsa nº6”, décimo espetáculo de Nelson Rodrigues, escrito para estreia de sua irmã Dulce Rodrigues no teatro, nasceu da constatação de que a tenebrosa história de feminicídio infelizmente continua atual. “É um tema super urgente. As estatísticas apontam números assustadores de mulheres estupradas e assassinadas a cada hora no País”, comenta o ator.
Também pesquisador de questões ligadas à identidade de gênero não-binário, Miralha e a diretora Ângela Barros decidiram trazer a peça para o século 21, dentro de uma encenação cuidadosa, precisa e urgente, que ocorre por meio da interpretação de uma figura andrógina, com o intuito de atravessar espaços para trazer à tona debates sociais. “Como não me identifico [como binário], sempre me atrelo a personagens que estão no campo da delicadeza e do feminino. Muitas vezes interpreto papéis que são destinados à mulher”, diz.

Apesar de abordar temas socialmente densos, o ator ressalta que a dramaturgia da peça de uma hora de duração foi mantida em seu estado original — e preserva sua leveza poética do início ao fim. “É quase um poema e trata do assunto de forma muito leve e sutil”, complementa. A classificação indicativa do espetáculo é de 14 anos.

O nome do projeto contemplado no edital da Linc, “Quem é Sônia”, faz alusão à personagem central do monólogo e sugere um exercício de reflexão e empatia em relação às vítimas de violência. “O questionamento principal do espetáculo é visibilizar quem são essas pessoas, que estão sendo assassinadas e que a sociedade finge não ver”, acrescenta o ator.

Gui Miralha revela que ser dirigido pela sorocabana Ângela Barros é a realização de um sonho antigo, já que desde seus primeiros passos no teatro — começou a atuar aos 9 anos — ouvia apenas elogios da premiada artista, formada na Escola de Artes Dramáticas da USP e responsável pela direção das peças de destaque como “Frank V” e “Não flor não fera”, que teve no elenco atores como Letícia Sabatella e Marcos Azzini. “Primeiramente foi uma honra muito grande. Ela é muito competente e generosa, se debruçou com toda experiência no projeto, para poder tirar tudo de mim, já que ‘Valsa nº6’ não é apenas um dos espetáculos mais difíceis do repertório do Nelson Rodrigues, mas de todo o teatro brasileiro”, diz. Os ensaios ocorreram ao longo de quatro meses, duas vezes por semana.

Paralelamente à montagem de “Valsa nº 6”, o projeto “Quem é Sônia” contemplou em abril a realização de uma oficina de pequenos solos, ministrada pela atriz profissional e arte-educadora Daniele Silva e que teve como encerramento uma mostra com os experimentos cênicos de cenas curtas escritos e interpretados pelos próprios participantes. (Felipe Shikama)

Serviço

“Valsa nº6”
Sexta (5), amanhã (6) e domingo (7), além de 14 e 21 de julho
Às 19h e 20h30
TMTV (avenida Engenheiro Carlos Reinaldo Mendes, s/n, Alto da Boa Vista)
Entrada gratuita (os ingressos serão distribuídos no local com uma hora de antecedência)

Comentários

CLASSICRUZEIRO