Cultura

Sesc Sorocaba recebe o espetáculo musical ‘Elza’

Espetáculo em homenagem a uma das grandes vozes femininas do Brasil chega ao Sesc em 1º e 2 de maio
Sorocaba recebe o musical ‘Elza’
Sete grandes atrizes vivem Elza Soares em suas mais diversas fases da vida – Foto: Leo Aversa / Divulgação

Uma das principais vozes da mulher negra brasileira, Elza Soares é homenageada no espetáculo musical “Elza”, que será apresentado no palco do Sesc Sorocaba nos dias 1º e 2 de maio, dentro do Circuito Sesc de Teatro. Os ingressos começam a ser vendidos nesta terça-feira (23), a partir das 14h, pelo site do Sesc; e, nesta quarta-feira (24), na unidade, a partir das 17h30.

No palco, Larissa Luz convidada para a montagem, e as multifacetadas atrizes Janamô, Júlia Dias, Késia Estácio, Khrystal, Laís Lacorte e Verônica Bonfim evocam a figura de Elza Soares e personificam a trajetória da cantora carioca. Em cena, elas se dividem ao viver Elza Soares em suas mais diversas fases e interpretam outros personagens, como os familiares e amigos da cantora, além de personalidades marcantes, como Ary Barroso (1903-1964), apresentador do programa onde cantou pela primeira vez, e Garrincha (1933-1983), que protagonizou com ela um notório relacionamento.

Com texto inédito de Vinícius Calderoni e direção de Duda Maia, o espetáculo tem a direção musical de Pedro Luís, Larissa Luz e Antônia Adnet. Além disso, o maestro Letieres Leite, da Orquestra Rumpilezz, foi o responsável pelos novos arranjos para clássicos do repertório da cantora, tais como “Lama”, “O meu guri”, “A carne” e “Se acaso você chegasse”.

Alegria

Marcada por uma série de tragédias pessoais — a morte dos filhos e de Garrincha, a violência doméstica e a intolerância –, a jornada de Elza é contada com alegria. “A Elza me disse: ‘sou muito alegre, viva, debochada. Não vai me fazer um musical triste, tem que ter alegria’. Isso foi ótimo, achei importante fazer o espetáculo a partir deste encontro, pois assim me deu base para saber como Elza se via e como ela gostaria de ser retratada”, conta Vinicius Calderoni, que leu e assistiu a infindáveis entrevistas que a cantora deu ao longo da vida e também pesquisou a obra de pensadoras negras, como Angela Davis e Conceição Evaristo, cujos fragmentos de textos aparecem na peça.

Leia mais  Projeto contemplado pela Linc oferece oficina de fotografia

 

O espetáculo foi desenvolvido ao longo de um período em que Elza se encontra no auge de uma carreira marcada por reviravoltas e renascimentos. Ao lançar seus últimos dois discos, “A mulher do fim do mundo” (2015) e “Deus é mulher” (2018), a cantora não somente ampliou ainda mais seu repertório e sua base de fãs, como conquistou, mais uma vez, a crítica internacional, e consolidou-se como um dos maiores nomes da MPB e principais vozes da mulher negra brasileira.

Autor do texto, Vinícius Calderoni chama a atenção para a coletividade presente em todo o processo de criação da montagem. Após ter escrito as primeiras páginas, ele começou a frequentar os ensaios e estabeleceu um rico intercâmbio com Duda Maia e as sete atrizes. “Hoje poderia dizer que elas são coautoras e colaboradoras do texto. São sete atrizes negras e múltiplas, como a Elza é. Diante da responsabilidade enorme, eu estabeleci limites de fala para mim, por exemplo, em relação a alguns temas. Limitei a minha voz e disse que não escreveria nada, queria os relatos delas e as opiniões. Pedi a colaboração delas, das experiências vividas por uma mulher negra. Do mesmo jeito que a Duda propôs muitas coisas, as atrizes também tiveram este espaço”, conta o dramaturgo.

Tal processo colaborativo se estendeu para a música, com a participação ativa das atrizes e das musicistas nos ensaios com os diretores musicais e o maestro Letieres Leite, que liderou algumas oficinas com o grupo no período dos ensaios. O processo gerou ainda duas canções inéditas que estão na peça: “Ogum”, de Pedro Luís, e “Rap da Vila Vintém”, de Larissa Luz.

Serviço

“Elza”, o musical
Dia 1º de maio, às 19h; e 2 de maio, às 20h
Sesc Sorocaba (rua Barão de Piratininga, 555, Jardim Faculdade)
Ingressos custam R$ 30 (inteira), R$ 15 (meia) e R$ 9 (credencial plena) e começam a ser vendidos nesta terça-feira (23), às 14h, pelo site www.sescsp.org.br/sorocaba, e nesta quarta-feira, (24) na Central de Atendimento da unidade, a partir das 17h30
Classificação etária 14 anos

Comentários

CLASSICRUZEIRO