Cultura

Processo criativo de Pedro Lopes é eternizado em documentário

Em “Be, was, being -- Yby Soroc”, dirigido por Chores Rodriguez, Pedro Lopes fala sobre suas telas em exposição
Processo criativo eternizado em documentário
Painéis de grandes dimensões, de Pedro Lopes, retratam cronologicamente a história de Sorocaba e seguem em exposição no Macs – Foto: Fábio Rogério

Os painéis que compõem a exposição “Yby Soroc”, do pintor sorocabano Pedro Lopes, em cartaz no Museu de Arte Contemporânea de Sorocaba (Macs), são comentados pelo próprio artista no filme “Be, was, being — Yby Soroc”, que será exibido nesta quarta-feira (29), às 19h30, no Macs (avenida Afonso Vergueiro, 280, ao lado da antiga Estação Ferroviária). A sessão tem entrada gratuita e é aberta a todos os interessados.

Dirigido por Chores Rodriguez, o documentário — com texto escrito e narrado pelo próprio artista — revela o processo de criação das obras e as contextualizam historicamente aos principais acontecimentos e personagens retratados com seu respectivos estilos pictórios, que vão desde o maneirismo até o neoexpressionismo, passando pelo barroco e o cubismo, entre outros.

Leia mais  Violinista Adam Totam faz recital na Fundec com Leonardo Fernandes

Primeira exposição individual de Lopes após um hiato de 30 anos, “Yby Soroc”– título tupi que significa “terra rasgada” — reúne 20 painéis de grandes dimensões que retratam cronologicamente a história de Sorocaba, desde mais de um século e meio antes de ser formalmente fundada por Baltasar Fernandes, em 1654, até o início do século 21. O longa, de aproximadamente 1h30 de duração, explora a técnica mise en scène (encenação, em Português) e os depoimentos do artista são ilustrados com as pinturas e também estudos, como esculturas em argila, esboços e croquis que precederam a produção dos painéis gigantes. De acordo com Pedro Lopes, “Be, was, being” (Ser, Foi, Sendo) é uma referência à influência e modernização da língua e da cultura inglesa em Sorocaba.

Didático

Processo criativo eternizado em documentário
Rodriguez: 7 dias de filmagens e 3 meses de edição – Foto: Divulgação

Chores Rodriguez destaca que o longa, produzido de maneira totalmente independente, possui caráter didático, já que oferece ao espectador a possibilidade de enxergar a exposição de maneira mais completa. “O filme não tem a pretensão de ter a mesma dimensão das obras. O objetivo é situar melhor o público que visitou ou pretende visitar a exposição e eternizar a alma, a voz e a memória do seu criador”, afirma. O diretor acrescenta que a ideia é que, em breve, além de exibições públicas, o filme seja distribuído em DVD e exibido para alunos de instituições de ensino da cidade. “O nosso desejo é que o filme seja veiculado nas escolas. Acredito que é uma maneira muito fácil e lúdica de explicar a história da cidade e das artes. Independente da idade e da série que o aluno está, sempre tem um assunto que ele está estudando e que pode ser trabalhado de forma transversal”, complementa.

O filme será reexibido no próximo dia 5 de setembro (quarta-feira), na Fundação de Desenvolvimento Cultural de Sorocaba (Fundec), e em 19 de setembro, no mesmo horário, novamente no Macs, durante a Semana Primavera dos Museus. Ambas as sessões ocorrerão às 19h e a entrada será gratuita.

Chores detalha que já visitava com frequência o ateliê de Lopes, a princípio com intuito de realizar um documentário sobre arte, quando foi convidado pelo artista para dirigir “Be, was, being”. “Ficamos amigos e nesse percurso surgiu a data da exposição. De cara eu topei o desafio de fazer o filme. Foram sete ou oito dias de filmagens, inclusive dormi na casa dele, e depois, quase três meses de edição”, detalha.

Leia mais  Teatro Municipal recebe quarteto em show de tributo a Elis no sábado

Natural de Sorocaba, Chores Rodriguez é formado em Fotografia pela Universidade Paulista de Sorocaba (Unip) e, atualmente, se dedica aos trabalhos fotográficos e cinematográficos. Além de participar de exposições coletivas no Macs e na Galeria Scarpa, em Sorocaba, dirigiu a fotografia de curtas e longas-metragens, como “Utopia” e “Ouvidos Calados”, e o DVD “Tropeada”, da dupla Arlindo Lima e Ramon Vieira. Em 2015, ganhou o prêmio Prof. Flávio Gagliardi de Artes Visuais, na categoria Fotografia.

A exposição “Yby Soroc” foi aberta ao público no Macs em 11 de agosto e pode ser vista até 6 de outubro. A visitação funciona de terça a sexta-feira, das 10h às 17h, e aos sábados e feriados, das 10h às 15h. A entrada é gratuita. Após visitar a mostra, o poeta sorocabano Celso Marangoni produziu um texto, intitulado “Pedro Lopes Cidadão Yby Soroc”, no qual afirma que não é exagero comprar o artista sorocabano a Hieronymus Bosch (1450-1516), Portinari (1903-1962) e Salvador Dali (1904-1989). “Pois embora imóveis na parede, cada tela de Pedro Lopes é como um asteróide em movimento, no incrível universo-paralelo de nós mesmos onde, tanto somos espectadores quanto participantes ativos desse tempo-eternamente-presente”, escreveu.

Comentários

CLASSICRUZEIRO