fbpx
Cultura

Pennywise está de volta aos cinemas em ‘It — capítulo 2’

O terror é a principal estreia da semana na cidade, que também recebe a animação “Corgi: top dog”
Pennywise está de volta às telonas em ‘It -- capítulo 2’
“It: a coisa — capítulo 2” chega dois anos depois do primeiro filme ter alcançado mais de 4,4 milhões de espectadores no Brasil. Crédito da foto: Divulgação

Com sessões de pré-estreia já realizadas na noite de quarta-feira (4), o terror “It: a coisa — capítulo 2” é a principal estreia da semana nos cinemas de Sorocaba. A segunda novidade é a animação belga “Corgi: top dog”, voltada ao público infantil.

Leia mais  ‘O Rei Leão’ volta aos cinemas para impressionar

 

Há dois anos, “It — A Coisa” ultrapassou 4,4 milhões de espectadores no Brasil. Foi, também, um sucesso planetário. Não admira que o 2 tenha sido providenciado rapidamente. O “rei” Stephen King, escritor de ficção científica, terror, suspense e fantasia, responsável pela história, virou um fenômeno editorial e de bilheterias quando “Carrie — a estranha” estourou na tela, promovendo aquele banho de sangue, nos anos 1970. King ainda não tinha 30 anos. Nasceu em Portland, em 1947. Carrie é de 1976.

O homem é uma máquina de fazer dinheiro. Só de adaptações para cinema (e refilmagens), contam-se mais de 60 títulos, 64 para ser exato. E ainda tem as séries de TV, os telefilmes. “It: a coisa — capítulo 2”, que agora estreia, não é só mais um Stephen King nas telas. É um dos maiores, o que não representa pouca coisa quando se pensa que já houve Stanley Kubrick (“O iluminado”), Frank Darabont (“Um sonho de liberdade” e “À espera de um milagre”), Brian De Palma (“Carrie”) e Rob Reiner (“Conta comigo”). O diretor Andy Muschietti conseguiu alçar-se ao plano dos grandes.

O diretor argentino de 46 anos ganhou projeção internacional em 2008, com um curta de três minutos que realizou em Buenos Aires, “Mamá”. Em 2013, foi parar em Hollywood onde expandiu o filme no longa “Mama”, com produção de Guillermo del Toro. Se Mamá/Mama já eram eficientes na arte de provocar o medo, era natural que Andy chegasse a Stephen King.

“It — a coisa” era sobre pré-adolescentes que enfrentavam aquela entidade maligna em forma de palhaço, Pennywise. Passaram-se muitos anos na ficção de 2017, e os garotos e garotas de “It — a coisa” viram adultos traumatizados pela experiência juvenil. O ex-gordo que sofria bullying virou um cara inseguro, Beverly apanha do marido, tem o enrustido que não saiu do armário, etc. Formam um compêndio de neuroses e o diretor conta com atores talentosos como James McAvoy, Jessica Chastain, Bill Hader, Isaiah Mustafa, etc, para lhes dar vida.

“Não queria fazer desses personagens adultos uma síntese dos problemas do mundo, mas queria que fossem verossímeis e que o público se interessasse por eles, de verdade”, diz o diretor. A própria cidade de Derry, onde os fatos se deram, no passado, faz parte dessa integração realista. “Não conseguimos encontrar nossa Derry ideal, mas, como era importante filmar em locações, para capturar a atmosfera, pegamos as igrejas de uma cidade, a rua principal de outra e a ponte de uma terceira. A fantasia do cinema nos permite criar uma unidade de tempo e espaço, e foi o que fizemos”.

De forma muito impressionante, os garotos e as garotas permanecem exatamente iguais nas cenas em flash-back. Elas já haviam sido filmadas há dois, três anos, prevendo uma eventual continuação? Afinal, jovens em fase de crescimento mudam bastante ao longo de dois anos e seria impossível para o público não perceber a diferença.

“Não, não havíamos filmado cenas de reserva nem estamos repetindo cenas do outro filme”, explica Andy. “Foi difícil, mas, como você vê, não impossível. Houve todo um trabalho de pós-produção para manter a garotada sempre jovem. Saiu caro, mas na tela beira a perfeição”, finaliza Muschietti.

Animação belga

Pennywise está de volta às telonas em ‘It -- capítulo 2’
“Corgi: top dog” conta a história de um cachorrinho favorito da rainha Elizabeth II. Crédito da foto: Divulgação

Além de “It: a coisa — capítulo 2”, as salas de cinema da cidade recebem a animação “c”, do estúdio belga Wave Pictures. Com direção de Vincent Kesteloot — que tem no currículo animações de sucesso como “Pé pequeno”, “As aventuras de Sammy” e “As aventuras de Robinson Crusoé” — o longa voltado à toda família é baseado na rainha Elizabeth II e sua conhecida preferência por cães da raça corgi.

O filme acompanha Rex, o corgi favorito da rainha, que e vive confortavelmente no luxuoso Palácio de Buckingham ao lado de três colegas da mesma raça. Em uma visita feita pelo presidente norte-americano Donald Trump com sua esposa Melania, a rainha sugere que Rex possa ser um companheiro adequado para a cachorrinha Mitzi.

A possibilidade de Rex se casar abre caminho para que Charlie, outro corgi da rainha que tem inveja de Rex, tente roubar o seu posto de favorito da realeza. (Da Redação, com informações de Luiz Carlos Merten — Estadão Conteúdo)

Comentários