fbpx
Cultura Mais Cruzeiro

Memória dos operários vira exposição no Sesc

‘Livro de registro’, da artista visual Flávia Aguilera, busca dar visibilidade às lutas da classe trabalhadora
Memória dos operários vira exposição
A exposição traz desenhos e pinturas inspiradas fotografias antigas de operários e também imagens coletivas, em tinta óleo, que retratam o jeito, expressão e condições de vida dos trabalhadores do início do século 20. Crédito da foto: Reprodução

Arte contemporânea e militância política se entrelaçam na exposição “Livro de registro”, da artista visual Flávia Aguilera, que será aberta ao público na quinta-feira (18), às 19h, no espaço expositivo do 1º andar do Sesc. Com curadoria de Ana Maria Maia, a mostra reúne parte da produção mais recente da artista sorocabana, fruto de uma pesquisa que, a partir da escuta de testemunhos e da organização de arquivo de documentos históricos, resulta em pinturas e desenhos que procuram dar visibilidade a um imaginário da classe trabalhadora da cidade e região.

Leia mais  Livro aborda o trabalho escravo na Fábrica de Ferro Ipanema, em Iperó

 

De acordo com Flávia Aguilera, a exposição tem o intuito de reconhecer e valorizar a luta da classe operária no interior paulista e suas conquistas de direitos. “Queremos reativar e mostrar através dos registros, relatos, fotos e jornais, o quanto lutamos e avançamos no passado e o quanto este modo de vida explorado e as lutas contra as péssimas condições de trabalho foram e ainda são silenciadas”, comenta.

A artista revela que o interesse pela memória operária nasceu do desdobramento de sua pesquisa sobre a história da menina Julieta Chaves, assassinada em 1899 aos 7 anos de idade, que ficou popularmente conhecida como a “Santinha de Sorocaba”. Além de uma série de pinturas e desenhos sobre a personagem, Flávia é autora do livro “A história de Julieta Chaves — a ‘santinha’ de Sorocaba”, escrito em parceria com o historiador Carlos Carvalho Cavalheiro.

Ela comenta que em meio à consulta de imagens antigas da cidade, foi impactada por uma fotografia em especial, datada de 1896, que mostrava um grande grupo de operários em frente à Fábrica Nossa Senhora da Ponte. “O que mais chamou a minha atenção foi que a maioria era mulheres e crianças”, relembra. Intrigada pelas expressões faciais da foto que, segundo ela, parecem revelar estresse e cansaço das longas jornadas e baixos salários, Flávia decidiu se aprofundar no tema. “Também porque é a história da minha família, e minha história”, acrescenta.

A produção artística inspirada no movimento operário local ganhou mais força em 2015, com lambe-lambes confeccionados a lápis e colados em vários pontos da região central, que retratavam mulheres em tamanho real, baseadas nas fotografias das operárias das fábricas têxteis que deram a Sorocaba o apelido de “Manchester Paulista”. Desde então, em parceria com Cavalheiro, a artista passou a colecionar materiais, como fotografias, livros e registros de fábricas e edições do jornal Folha Operária, de 1909 a 1911. Este acervo deu origem ao Centro de Memória Operária Sorocabana, que terá uma seção reservada na exposição.

Acervo

Memória dos operários vira exposiçãoSegundo Flávia, além de divulgar o Centro de Memória, que pleiteia uma sede própria no município, a ideia da exposição é convidar a população a colaborar com a ampliação do acervo da instituição, doando originais ou reproduções de fotografias e documentos ligados à memória operária na região. A artista visual destaca que a instituição também tem a missão de criar engajamento social, “para que a classe trabalhadora produza e proteja as suas próprias memórias”. Ela destaca que, diferentemente dos proprietários das grandes fábricas, que ganharam biografias e se tornaram nomes de ruas e praças, os operários foram invisibilizados e esquecidos pela história.

Sob a curadoria da pesquisadora pernambucana Ana Maria Maia, professora de arte contemporânea e doutora em Teoria e Crítica de Arte pela Universidade de São Paulo (USP), a exposição “Livro de registro” foi divida em duas frentes, que tratam das memórias coletivas e individuais. A primeira, por meio de desenhos e pinturas em tinta óleo inspiradas fotografias antigas de grupos de operários. Já a segunda frente procura dar protagonismo ao indivíduo que faz parte dessa massa de mão-de-obra fabril.

A história desses trabalhadores anônimos é personificada na figura de três operários, por meio de reproduções de fotografias, documentos, como Carteira de Trabalho, e depoimentos em áudio. Para a exposição, Flávia entrevistou o ex-ferroviário José Antunes, conhecido como Zé Capela, e Áurea Figueiredo Bruson, que foi tecelã na Fábrica Santa Rosália. A exposição também resgata depoimento histórico da militante operária e primeira vereadora eleita de Sorocaba, Salvadora Lopes (1918-2006), concedido em 2002 ao historiador Carlos Cavalheiro. “Decidimos focar no particular, para conseguir ver o indivíduo por trás dessa massa”.

A exposição ficará em cartaz até 27 de outubro e pode ser vista gratuitamente, de terça a sexta, das 9h às 21h30 e aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h30. Durante este período, haverá atividades de pintura com modelo vivo e roda de conversa com Flávia Aguilera, Carlos Cavalheiro e a cineasta e professora Lilian Solá Santiago com data ainda a ser definida. O Sesc Sorocaba fica na rua Barão de Piratininga, 555, Jardim Faculdade. (Felipe Shikama)

Comentários