Cultura

File traz a conexão entre arte e tecnologia

Festival Internacional de Linguagem Eletrônica está em cartaz, até 11 de agosto, na capital paulista
File traz a conexão entre arte e tecnologia
“Into the wind”, do tailandês Witaya Junma, convida o visitante a testar a intensidade do sopro e ativar um mecanismo que cria bolhas de sabão gigantes. Crédito da foto: Divulgação

Arte e tecnologia se conectam em mais uma edição do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (File), que abriu no início de junho ao público e pode ser visto, gratuitamente, até 11 de agosto no Centro Cultural Fiesp, na avenida Paulista, em São Paulo. O festival, que foi eleito uma das dez maiores exposições mundiais de arte contemporânea pela publicação internacional The Art Newspaper, completa 20 anos e consolida a ênfase na inovação, destacando obras que unem arte e tecnologia, como óculos de realidade virtual (VR), inteligência artificial, instalações gigantes e interativas.

“Inovações na arte e na tecnologia”, aliás, é o tema do recorte curatorial desta edição, que rende homenagem a dois ícones que revolucionaram a integração dessas duas expressões do espírito humano: o artista e inventor italiano Leonardo da Vinci e a escola de design alemã Bauhaus. O primeiro, figura mais inovadora do Renascimento — cuja celebração de 500 anos de sua morte acontece este ano –, é exaltado na vídeo-instalação “A última ceia viva”, do italiano Rino Stefano Tagliafierro.

Com aproximadamente cinco minutos de duração, o vídeo propõe uma releitura animada aos personagens do afresco da igreja de Santa Maria delle Grazie, de Milão. Ao contemplar os movimentos suaves aos personagens da obra sacra, é impossível não se perguntar que inovações faria da Vinci se dispusesse dos recursos tecnológicos que existem hoje em dia.

File traz a conexão entre arte e tecnologia
“A última ceia viva”, do italiano Rino Stefano Tagliafierro, faz referência à obra do artista e inventor italiano Leonardo da Vinci. Crédito da foto: Divulgação

Já a Bauhaus, reconhecida como escola mais famosa e inovadora da história da arte — na qual artistas, designers e arquitetos atuaram no início do século 20 — é homenageada em uma dança em realidade virtual, produzida pelo grupo alemão Interactive Media Foundation. A obra intitulada “O teatro da dança total”, enfatiza conceitos de óptica, mecânica e acústica e transfere os experimentos históricos criados e desenvolvidos na Bauhaus para um ambiente virtual interativo.

Leia mais  Violeiros tocam no Museu da Energia de Itu nesta quinta-feira (15)

Tão inovadoras quanto tecnológicas, ambas as obras dão o tom do festival que chega à sua 48ª edição. É que ao longo de 20 anos, o File já ganhou edições itinerantes em 13 cidades, incluindo o exterior, como Tokyo, no Japão, Florença, na Itália, e Rotterdam, na Holanda. Em comemoração às duas décadas do festival, fundado pelos curadores Paula Perissinotto e Ricardo Barreto, quando o acesso à internet ainda era “discada” e as obras reproduzidas em disquetes, a entrada do espaço expositivo reúne publicações que remontam uma retrospectiva histórica. Até aqui, segundo Paula, o File já foi vista por mais de um milhão de pessoas e reuniu mais de seis mil artistas, de 85 países diferentes.

Inteligência artificial

O File 2019 reúne 250 obras, 12 instalações — a maioria delas interativa e imersiva — além de games, videoarte, web arte e animações. Assim como os óculos de realidade virtual, que há alguns anos eram apresentados na exposição como vanguarda e que, atualmente já são uma febre, principalmente no mundo dos games, é possível afirmar que o File é uma espécie de “vitrine” que antecipa tendências tecnológicas. Neste ano, a aposta está nas animações produzidas com inteligência artificial, onde as narrativas dos curtas-metragens — com estética de vídeogame — se constróem de forma autônoma, a cada interação entre um e outro personagem virtual.

Leia mais  Fernando Anitelli e outros shows são atrações no aniversário de Sorocaba

É o caso da animação “Sunshowers”, da sérvia Sam Twidale e da francesa Marija Avramovic, inspirada no universo estético do filme “Sonhos”, de Akira Kurosawa. Todos os objetos e personagens do vídeo são dotados de uma inteligência artificial que decide, em tempo real, as ações e caminhos no roteiro, levando a desfechos diferentes. “A cada exibição as personagem se envolvem de forma imprevisível”, diz Marija, ao Mais Cruzeiro.

File traz a conexão entre arte e tecnologia
“Xadrez auto-criativo”, do artista Ricardo Barreto, é uma das obras do Festival, que está completando 20 anos de existência. Crédito da foto: Divulgação

Forte candidata a obra mais badalada do público neste ano, a instalação gigantesca “A Sense of gravity”, do holandês Teun Vonk, permite que o visitante descubra uma nova forma de perceber a gravidade. Resultado de uma pesquisa de dois anos, é uma espécie de máquina futurista — equipada com compressores de ar –, que convida o espectador a entrar ser submetido a um experiência física individual, inusitada e intimista. “É como se a gente estivesse em um diafragma de gravidade zero”, descreveu a curadora Paula Perissinotto, em visita guiada à imprensa, na última segunda-feira, enquanto a obra ainda passava pelos ajustes finais. 

Experiências sensoriais e imersivas

Uma das experiências imersivas mais impactantes da exposição é a premiada video-instalação “Inside Tumucumaque”, do grupo alemão Interactive Media Foundation. Por meio do uso de óculos de realidade virtual, o espectador é “transportado” para a remota reserva do Tumucumaque, na floresta amazônica onde tem a oportunidade de perceber o ecossistema literalmente sob a perspectiva de cinco espécies nativas: sapo-flecha, gavião-real, morcego-vampiro, jacaré-açu e aranha-golias-comedora-de-pássaros. “É um projeto explorativo, com apoio do Museum für Naturkunde Berlin [Museu de História Natural de Berlim]. A gente acredita que ver o mundo através do olhos deles ajuda a ter empatia maior com os bichos”, defende Maya Puig, produtora criativa do grupo, destacando que os sons do vídeo foram captados in loco.

Leia mais  Restauro da estação ferroviária de Sorocaba continua indefinido
File traz a conexão entre arte e tecnologia
“Inside Tumucumaque” transporta o visitante para uma reserva na floresta amazônica. Crédito da foto: Felipe Shikama

Outra curiosa experiência interativa é a obra “Scope”, da norte-americana Kristin McWharter, que consiste em dois óculos de realidade virtual conectados entre si por uma barra rígida de cerca de quase dois metros de comprimento. Com imagens — e sons — que remetem a um ambiente aquático, a instalação convida os espectadores a se movimentarem no espaço físico, influenciando um ao outro com a cabeça através da estrutura que os une, como um nadar contra a correnteza.

O visitante também é convidado testar a intensidade do sopro e ativar um mecanismo que cria bolhas de sabão gigantes na obra “Into the wind”, do tailandês Witaya Junma. Segundo o artista, a“bubble machine” converte a força do vento produzido pelos pulmões em forma física no espaço e no ar.

Obra inédita feita especialmente para o File, a instalação “Tempo: cor”, do mineiro Pedro Veneroso, consiste em um conjunto de sete relógios, cada qual em um fuso horário, que converte as horas em cores da chamada escala RGB (vermelho, verde e azul). “Cada minuto tem sua cor própria”, define o artista. (Felipe Shikama)

Serviço

Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (File)
Até 11 de agosto
Centro Cultural Fiesp (avenida Paulista, 1.313, em frente à estação Trianon-Masp do Metrô, São Paulo)
Terça a sábado, das 10h às 22h, e domingo, das 10h às 20h
Entrada gratuita

Comentários

CLASSICRUZEIRO