Cultura

Cinemas de Sorocaba têm estreias nacionais protagonizadas por mulheres

Além de “De Pernas pro Ar 3” e “Happy hour”, salas da cidade também recebem “Superação -- o milagre da fé”
Cinemas têm duas estreias nacionais
Ingrid Guimarães estrela “De pernas pro ar 3”, o terceiro filme da franquia que conta as aventuras da personagem Alice – Foto: Divulgação

Dois longas nacionais protagonizados por mulheres, “De Pernas pro Ar 3” e “Happy hour” estreiam nesta quinta-feira (11) nos cinemas de Sorocaba. Outra opção que chega às telonas é o longa cristão “Superação — o milagre da fé”. Confira a programação completa.

Estrelado por Ingrid Guimarães, “De pernas pro ar 3” é o terceiro filme da franquia sobre Alice, uma mulher casada que se reinventa como profissional no mercado de “sex toys”. Desta vez, o longa foi rodado em Paris. Uma distância longa, mas algo, talvez ainda mais significativo, se passou entre o 1 e o 3. O primeiro e o segundo filmes foram dirigidos por um homem, Roberto Santucci. O terceiro, que agora estreia, por uma mulher, Júlia Rezende, com quem Ingrid fez “Um namorado para minha mulher”.

“Quando houve o estouro das comédias, uma grande revista fez uma matéria com aquela foto. Era um bando de homens e só eu de mulher”, lembra Ingrid, destacando que o humor parecia uma coisa masculina. “Se a gente fosse refazer agora, não estaria mais sozinha”, afirma, citando, como exemplo a colega Mônica Martelli, de “Os homens são de Marte”. A atriz destaca que um dos temas do “De pernas 3” é a sororidade. Alice se sente ameaçada pela garota que chega com tudo, mas a própria garota lhe faz ver que o mercado tem espaço pras duas, nesse caminho que a Alice abriu. A garota, Leona, é interpretada por Samya Pascotto. “É sensacional. Tenho crédito de roteiro, mas a Samya contribuiu muito. É um filme de mulheres, focado na gente”.

Já “Happy hour — verdades e consequências”, que entra em cartaz apenas na sala 7 do Cineplay do Sorocaba Shopping, é estrelado por Letícia Sabatella que interpreta uma política chamada Vera. Nesse mundo dos políticos, em que todo mundo adora criticar, Vera mantém sua integridade e, por isso mesmo, toma um susto quando o marido, um professor de literatura que está sofrendo a tentação da carne, lhe propõe abrir o casamento para que ele possa se relacionar com uma aluna. O marido é argentino, interpretado pelo ator Pablo Echarrí — e tem um amigo, também argentino, Luciano Cáceres. Para incrementar ainda mais a trama, há um ladrão — homem-aranha — que age na cidade, escalando edifícios.

O diretor Eduardo Albergaria define “Happy hour” como um conto moral, como os de Éric Rohmer, de “Minha noite com ela”. “Sobre a lembrança de Rohmer, ele esteve ‘presente’ quando escrevia as cenas de Horácio, o marido, andando pelas pedras, vagando com Clara, a aluna, refletindo sobre sua natureza”, diz. A própria Letícia reconhece o que lhe parece a maior virtude de “Happy hour”. “O filme não tem medo de ser diferente. Parece ser muito simples, e aí você vê que tem camadas. Cria expectativas, que depois subverte”, convida.

Cinemas têm duas estreias nacionais
“Superação– o milagre da fé” é baseado em uma história real – Foto: Divulgação

Outra novidade na semana é o drama “Superação– o milagre da fé”, baseado na história real de uma mãe em uma corrente de orações para a recuperação do filho após um acidente. Com direção de Roxann Dawson, o longa conta a história de John Smith, um menino de 14 anos que, ao passear com a família em uma manhã de inverno no Lago St Louis, no Missouri, cai acidentalmente e se afoga. Chegando ao hospital, John é considerado morto por mais de 60 minutos até que sua mãe, Joyce Smith, junta todas as suas forças e pede a Deus para que seu filho sobreviva. Sua prece poderosa é responsável por um milagre inédito. (Da Redação, com informações de Estadão Conteúdo)

Comentários

CLASSICRUZEIRO