Letra Viva

Sobriedade

Nelson Fonseca Neto – nelsonfonsecanetoletraviva@gmail.com

Os EUA pegam fogo nesta semana por conta das eleições presidenciais. Muita gente ao meu redor comentando a respeito. Eu me deparo com análises de alto nível e com opiniões estapafúrdias. Muito ruído.

Você leu o primeiro parágrafo deste texto e está achando que vou me colocar acima das tretas do mundo. A culpa é minha. Dei uma de malandro nas linhas iniciais. Não estou acima das tretas do mundo. Sintam o drama.

Tenho o vício de acompanhar atentamente o dia das eleições norte-americanas. Quase vinte anos que a banda toca assim por aqui. Fim de noite, ponho na CNN. Acompanho os numerinhos que vão pipocando na tela. Interpreto razoavelmente bem os mapinhas que mostram Estados e condados. Fico horas nessa toada. E é por essas e outras que não posso dizer que estou acima das tretas do mundo.

Percebo que acabei de dar uma segunda rasteira em você. Você achou que meteria o bedelho nas eleições presidenciais dos EUA. Culpa minha novamente. Eu acompanho a parada na CNN por diletantismo. Só isso.

Leia mais  As ironias do tempo

Qual o assunto desta coluna, oras? Chegamos ao ponto. O assunto: a sensibilidade sóbria. Vamos lá. Os numerinhos frenéticos da CNN simbolizam a velocidade e o frenesi. Tudo pode mudar em alguns minutos. Já falei, logo acima, que mergulho nessa parada de quatro em quatro anos. Ou seja: sou moderado. Pelo menos numa coisa desta vida eu sou moderado.

Uma analogia meio besta: ficar pilhado na coisa veloz é que nem comer doce sem qualquer tipo de freio. Vicia parecido. (Prometo não entrar nos detalhes, pela milionésima vez, do meu regime.) Pois então. O negócio é o seguinte: o sujeito tem que se policiar. Se bobear, nessa história de tudo aqui e agora, o sujeito tem uma vida infernal, rasa, tosca, pobre.

Hoje mesmo eu estava conversando com a Patrícia sobre algo que tem a ver com o que estou tratando aqui. Muitos sites de notícia estão reforçando a velocidade máxima quando postam seus textos. Aparece um relógio marcando quanto tempo o leitor levará para encarar determinada crônica ou reportagem. Tem também, quando a pessoa clica no texto, um resuminho do texto, em alguns escassos tópicos. É o resumo de algo resumido.

Eu ficaria bilionário se ganhasse um real a cada vez que tivesse de dizer quantas páginas eu leio por minuto. Eu seria mais ricão que o Bill Gates se ganhasse um real a cada vez que tivesse de opinar a respeito de leitura dinâmica e métodos afins. Sei lá se essas paradas funcionam. Enfim, coisas da vida.

Leia mais  As ironias do tempo

A sensibilidade sóbria é um bom remédio contra essa noia de querer tudo aqui e agora. Contra essa noia de se empanturrar de números e julgamentos exacerbados. Contra essa noia de andar numa montanha-russa de emoções extremas. Você reparou no tanto de gente que gargalha e chora a rodo? É a “Síndrome do Arquivo Confidencial”. “Arquivo Confidencial” é um dos quadros do programa do Faustão. Nem sei se tem ainda. Um famoso é entrevistado pelo Faustão. No meio do percurso aparecem familiares e amigos do famoso. O famoso sempre chora. Eu me coloco no lugar do famoso. Tenho a sorte de ver a Patrícia e o João Pedro todos os dias. Se eles aparecessem dando um “oi” no vídeo, eu não desidrataria de tanto chorar. Aí a coisa alastrou. Todo mundo se vê na obrigação de chorar, mesmo nas situações mais prosaicas. É uma praga.

A sensibilidade sóbria é lenta, estável, discreta. Ela é contemplativa. Ela passa longe da produtividade e dos números piscando na tela. Ela não berra. Ela não chora. Ela não gargalha. Ela tem pudor.

Leia mais  As ironias do tempo

Há muitos casos de sensibilidade sóbria na literatura. Muitos mesmo. E é por isso que ela nunca morrerá. Nessas horas, penso em Kent Haruf, símbolo da sensibilidade sóbria. A melhor maneira de qualificar seus livros: milagres.

Comentários