Oncologia

Sorocabana faz campanha na internet para custear transplante de medula

Monique Previero, de 26 anos, foi diagnosticada com linfoma em 2016 e ainda luta contra a doença
Apesar da dura batalha, Monique não desanima e continua feliz. Crédito da foto: Arquivo Pessoal/ Monique Previero

“Eu tinha tantos planos, tantas coisas acontecendo naquele momento e tive que deixar tudo para depois.” O relato é da atendente de laboratório Monique Previero de Souza, de 26 anos, que, em 2016, descobriu um linfoma. Por conta do câncer, a sorocabana precisa passar por um transplante de medula óssea. Antes da cirurgia, ela deve tomar o medicamento Mozobil. Sem ter condições de comprar o remédio, Monique lançou, na segunda-feira (22), uma vaquinha virtual para arrecadar R$ 45 mil.

O linfoma é um tipo de câncer que atinge o sistema linfático, responsável por combater doenças do corpo. Em alguns casos, a quimioterapia consegue erradicar a doença. Em outros, porém, o transplante de medula óssea é a única solução.

Monique será submetida a um transplante autólogo, realizado com células-tronco do próprio paciente. Segundo ela, após coletadas, as células são tratadas e armazenadas, para, futuramente, serem reinjetadas no seu organismo.

O problema é que, como está danificada, a medula de Monique não produz a quantidade de células necessárias para a cirurgia. Por isso, ela precisa tomar duas doses do Mozobil, medicamento que estimula a produção de células-tronco. Segundo ela, cada ampola custa entre R$ 19 mil e R$ 21 mil. O Sistema Único de Saúde (SUS) não fornece o remédio por conta do valor alto.

Monique entrou, por intermédio de sua advogada, com um pedido na Justiça para que o governo estadual custeie a medicação. Foi expedida uma liminar determinando que o Estado fornecesse o Mozobil até 22 de março. O prazo, porém, não foi cumprido.

Foi então que Monique decidiu, juntamente com o namorado, criar a campanha on-line para angariar a quantia em dinheiro. Na tarde desta quinta-feira (25), três dias após o lançamento da vaquinha virtual, R$ 18.575 já tinham sido arrecadados.

O valor representa cerca de 41% da meta (R$ 45 mil), e o objetivo é conseguir a quantia total até 31 de julho. “Não dá para esperar. [A espera] é angustiante porque eu não sei como está o meu corpo. É muito triste ficar nessa situação”, conta. Segundo Monique, muitas pessoas têm feito doações. Ela se surpreendeu com a quantia arrecadada em tão pouco tempo. “Para mim, isso é muito, diz”.

Um choque

Monique foi diagnosticada com câncer no final de 2016, quando tinha 24 anos. Após o aparecimento de pequenos caroços em seu pescoço e na nuca, a ex-aluna do Ensino Médio do Colégio Politécnico de Sorocaba realizou uma biópsia. O exame lhe trouxe a notícia mais triste de sua vida: ela estava com linfoma.

Essa época foi tão dolorosa para Monique que ela demorou oito meses para iniciar o tratamento. “Eu estava me sentindo confusa com o que havia descoberto”, conta. No entanto, em 2017, depois de refletir bastante sobre a situação, realizou 12 sessões de quimioterapia. No segundo semestre de 2018, fez o exame para averiguar se estava curada.

Os linfomas do pescoço e da nuca haviam sido eliminados, mas surgiram outros no baço. Monique, então, foi informada de que precisaria passar pelo transplante de médula óssea e fazer mais seis sessões de quimioterapia. Antes do transplante, ela também fará um tipo de quimioterapia mais forte e deverá ficar 30 dias internada. O objetivo da medicação mais agressiva é preparar a medula para receber as células-tronco.

Apesar do choque, Monique não se deixou abater. Formada em Processos Gerenciais, continuou trabalhando no Ambulatório Médico de Especialidades (AME), saía com os amigos, fazia passeios com a família, entre outras coisas. “Desistir ou me deixar levar pela doença nunca foi uma opção”, destaca. Ela criou até uma loja on-line de bijuterias, chamada Clube da Amora, para se distrair e esquecer da doença.

Em novembro do ano passado, porém, precisou deixar o trabalho que tanto gosta por conta do câncer. Mas isso não a abalou. Muito pelo contrário. Monique continua cheia de sonhos: quer cursar Psicologia, se casar e, claro, voltar a trabalhar. “Essas coisas parecem tão banais, mas, para mim, são sonhos, porque parecem estar tão distantes”, diz.

A família e os amigos são os maiores apoiadores de Monique. Mas, segundo ela, sua maior força para enfrentar essa dura e árdua batalha vem de Deus. “É Ele que me ergue e me dá forças. Eu tenho muita vontade de viver”.

‘Cerveja é Vida em Prol de Monique’

Um evento intitulado “Cerveja é Vida em Prol de Monique” será realizado no Cervejário, no Mercadão Campolim, no dia 4 de maio. A “cervejada” acontecerá das 11h às 17h; e a entrada é gratuita.

Para a realização do evento, três cervejarias de Sorocaba doaram barris de chope ao estabelecimento. A proprietária do estabelecimento destinará a verba arrecadada com a venda das bebidas doadas para o tratamento de Monique.

Como ajudar

Caso você queira ajudar Monique, acesse o site da ‘vaquinha virtual’. Na sequência, clique no botão “contribua” e informe os seus dados, o valor doado e a forma de pagamento. (Vinicius Camargo)

Comentários