Buscar no Cruzeiro

Buscar

Geral

Voo traz 106 brasileiros deportados dos EUA

20 de Maio de 2021 às 00:01
Da Redação com Estadão Conteúdo
106 brasileiros deportados pelos EUA chegarão ao País amanhã.
106 brasileiros deportados pelos EUA chegarão ao País amanhã. (Crédito: pxhere.com)

Pelo menos 106 brasileiros deportados pelos EUA por atravessar a fronteira ilegalmente chegarão ao País amanhã. A viagem foi confirmada ontem pelo Itamaraty. Segundo o Ministério de Relações Exteriores, o processo ocorre integralmente sob jurisdição dos EUA.

O governo do presidente Joe Biden também vem recorrendo a voos fretados para a deportação de imigrantes ilegais, medida usada por seu antecessor, Donald Trump, em meio a uma contestada política e a uma retórica anti-imigração.

“O governo brasileiro foi notificado do voo e acompanha os desdobramentos, com vistas a assegurar que aos cidadãos brasileiros deportados seja estendido tratamento digno”, diz a nota do Itamaraty. Ainda de acordo com a chancelaria, a realização do voo tem como objetivo reduzir o tempo de permanência dessas pessoas em centros de detenção nos EUA, no contexto da pandemia. “As repartições consulares brasileiras nos EUA seguem prestando toda a assistência consular cabível aos cidadãos brasileiros ainda detidos naquele país”, acrescenta o comunicado.

Muitos imigrantes, acreditando que o governo Biden seria mais receptivo, têm tentado entrar nos EUA desde que ele assumiu a Casa Branca, em 20 de janeiro. Com isso, aumentou o fluxo dos que chegam ilegalmente pela fronteira com México.

Autoridades que acompanham o tema e organizações de apoio aos imigrantes têm relatado o crescimento do contingente de brasileiros que tentam entrar nos EUA. O número, segundo estimativas feitas por pessoas que lidam com a questão, é equivalente ou até superior ao patamar registrado em 2019, quando a imigração ilegal por brasileiros bateu recordes.

O total de brasileiros que chegaram aos EUA ilegalmente começou a crescer em 2015. O grande pico aconteceu em 2019, quando chegou a 18 mil casos -- no ano anterior, haviam sido 1,6 mil. No ano passado, as travessias caíram em razão dos bloqueios de viagem durante a pandemia e à política do governo Trump. (Da Redação com Estadão Conteúdo)