Covid-19 Exterior

Senado dos EUA aprova pacote de resgate estimado em US$ 2 trilhões

A proposta também expande grandemente o seguro-desemprego para cobrir trabalhadores por conta própria e autônomos
O Capitólio dos Estados Unidos é o prédio que serve como centro legislativo do governo, localizado em Washington, D.C. Crédito da foto: SAUL LOEB / AFP (23/03/20)

O Senado dos EUA aprovou o maior pacote de estímulos econômicos da história recente, enviando um projeto de lei estimado em US$ 2 trilhões para a Câmara de Representantes à medida que o Congresso busca dar a famílias e empresas americanas um escudo financeiro contra os efeitos devastadores da pandemia do novo coronavírus.

Senadores aprovaram a proposta após virarem noites em negociações entre o governo de Donald Trump e lideranças partidárias. O líder da maioria democrata na Câmara, Steny Hoyer, disse após a aprovação que a Casa avaliará o projeto de lei na sexta-feira (27).

Se aprovada, a nova lei disponibilizaria empréstimos e outros desembolsos a uma larga fatia da economia, desde pagamentos diretos a americanos a até empréstimos a pequenas e grandes empresas.

A proposta também expande grandemente o seguro-desemprego para cobrir trabalhadores por conta própria e autônomos, além de repor os cofres estaduais e estender recursos adicionais a operadoras de plano de saúde.

O líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, equiparou a medida a “investimento de tempos de guerra”. Ele acrescentou: “Não buscamos essa batalha (contra o coronavírus). Não a queríamos. Mas, agora, vamos vencê-la.”

Leia mais  Coronavírus: 1.546 casos e 25 mortes no Brasil

A presidente da Câmara de Representantes, a democrata Nancy Pelosi, disse a repórteres nesta quarta-feira esperar que a Casa debata o projeto de lei no plenário, em uma mudança de declarações anteriores sobre como ela gostaria que a matéria fosse aprovada por unanimidade, o que seria um procedimento inédito para um projeto de lei tão abrangente que poderia ser bloqueado por um congressista. Fonte: Dow Jones Newswires. (Estadão Conteúdo)

Comentários