fbpx
Exterior

Papa lava e beija pés de brasileiro e de outros 11 presos em Roma

Com uma toalha seca e uma bacia de prata, ele lavou e beijou os pés de 12 detentos
Papa reproduz tradicional gesto de humildade ao beijar os pés de presos. Crédito da foto: Reprodução / Twitter Vatican News

Em missa realizada nesta Quinta-Feira Santa, 18, na prisão de Velletri, subúrbio a cerca de 40 quilômetros ao sul de Roma, o papa Francisco lavou e beijou os pés de 12 presos, entre eles um brasileiro. Em sete anos de pontificado, esta é a quinta vez que o papa reproduz o gesto, símbolo de “humildade” e “fraternidade”, com presos. “Em nossos corações deve haver sempre esse amor para servir ao próximo”, disse.

Na Quinta-Feira Santa, é lembrada justamente a Última Ceia, ocasião em que Jesus realizou o Lava-Pés com seus discípulos. Logo ao chegar, Francisco foi bastante aplaudido por cerca de duzentas pessoas, presentes na cerimônia.

Depois de uma homilia rápida e improvisada, em que lembrou a importância do rito, o papa argentino, de 82 anos, recebeu ajuda de dois assistentes para se ajoelhar. Com uma toalha seca e uma bacia de prata, ele lavou e beijou os pés de 12 detentos – nove italianos, um brasileiro, um da Costa do Marfim e outro de Marrocos. Eles eram todos homens e não tiveram os nomes nem religião divulgados.

Leia mais  Hamilton Mourão representará o governo em posse na Argentina

Francisco lembrou que o gesto era destinado aos escravos, que limpavam os pés de pessoas que iam visitar a casa de seus senhores, e aconselhou os presos a ajudarem uns aos outros. “O mais velho tem de servir ao menor”, afirmou. “Sejam irmãos no serviço e não na ambição daquele que domina ou maltrata o outro. Esta é a irmandade. A irmandade é sempre humilde.”

Tradicionalmente, a Igreja realiza o rito lavando os pés de 12 sacerdotes. Francisco, entretanto, levou a celebração para fora do Vaticano e a realizou em prisões, centro de imigrantes ou casas de idosos. Também já foi alvo de críticas por, em ocasiões anteriores, lavar os pés de mulheres e muçulmanos.

Com quatrocentas vagas, a prisão de Velletri sofre por superlotação e abriga cerca de 570 presos, entre eles estrangeiros e detentos que colaboraram com a Justiça para obter proteção especial. Também há no local 200 carcereiros.

Leia mais  Greve no setor petroleiro gera prejuízo de US$ 137 mi no Equador

Ao fim da cerimônia, a diretora da prisão, Maria Donata Iannantuono, agradeceu ao papa e falou das dificuldades da unidade. Segundo ela, não haveria como garantir “direitos fundamentais para os presos”.

Francisco saiu da unidade sob aplausos, após cumprimentar as pessoas e receber alguns presentes. Na sexta-feira (19), o papa deve liderar a tradicional “Via-crúcis” em volta do Coliseu, em Roma.(Estadão Conteúdo)

Comentários