Exterior

Onda de frio extremo atinge o norte dos Estados Unidos

No noroeste de Minnesota, a temperatura despencou até -40ºC
Onda de frio extremo atinge o norte dos Estados Unidos
O vento glacial que se dirige para a Costa Leste dos EUA já deixou cinco mortos – Foto: Josua Lott/AFP

O norte dos Estados Unidos foi tomado, na quarta-feira (30), por vento e temperaturas polares procedentes do Ártico, levando as autoridades a adotarem medidas de emergência para proteger as populações mais vulneráveis. Essa “massa de ar ártico sem precedentes” deve provocar temperaturas extremas com sensação térmica de -34ºC a -51ºC nas planícies do Norte, na região dos Grandes Lagos e no norte do Meio-Oeste, de acordo com o Serviço Meteorológico (NWS).

No noroeste de Minnesota, a temperatura despencou até -40ºC às seis horas da manhã na pequena cidade de Mahnomen, com sensação térmica de -53ºC. As autoridades de Illinois, Wisconsin e Michigan emitiram boletins de alerta, no dia que deve ficar registrado como o mais frio desse episódio polar que afeta cerca de 60 milhões de habitantes.

Em Chicago, terceira maior cidade dos EUA conhecida como “a cidade dos ventos”, os termômetros marcaram até -30ºC pela manhã, e -26ºC, à tarde.

Frio extremo e perigoso

“Estamos lidando com um frio histórico, claramente”, afirmou o prefeito de Chicago, Rahm Emmanuel, em entrevista coletiva. “As temperaturas põem as vidas em perigo, e temos de agir de acordo”, acrescentou. “Tem o frio, e tem O FRIO!”, advertiu o NWS, referindo-se a “um FRIO extremo e perigoso”. Para se protegerem do vento glacial, os moradores saem às ruas, cobrindo o rosto com máscara de esqui.

Leia mais  União Europeia rejeita renegociar Brexit com May

 

Sob a determinação da governadora de Michigan, Gretchen Whitmer, os prédios públicos ficarão fechados até sexta-feira, e funcionários de serviços não essenciais deverão ficar em suas casas. As escolas também não vão funcionar. Segundo o NWS, as temperaturas devem permanecer entre -30ºC e -40ºC nesta quinta.

O vento glacial que desceu do círculo ártico e se dirige para a Costa Leste dos Estados Unidos já deixou cinco mortos, de acordo com os jornais americanos, e causou danos. Funcionários ferroviários de Chicago estão usando fogo para manter as vias aquecidas e evitar que congelem, impedindo o tráfego. Desde a manhã desta quarta-feira (30) e até “nova ordem”, todos os trens urbanos da Metra Electric, informou a empresa. “Há vários problemas com os cabos (de alimentação), sobretudo, por causa da retração do metal, devido às condições climáticas extremas”, explicou a porta-voz da Metra, citada pela imprensa.

#StayWarmChicago

O tráfego aéreo também foi perturbado. Mais de 2.500 voos domésticos foram anulados, forçando os passageiros a enfrentarem o frio extremo pelo menos mais um dia. “Vou ficar até me deixarem ir embora, porque todos os meus voos foram anulados”, brincou Brandon Robinson, que teve de passar mais um dia em um hotel no centro de Chicago.

Leia mais  Guaidó considera o exército crucial para a queda de Maduro

 

No Twitter, a prefeitura lançou a hashtag #StayWarmChicago (#PermaneçaAquecidaChicago, em tradução literal), para estimular a população a ficar em casa e se proteger. Mais de 270 “centros de aquecimento” foram montados em prédios públicos, centros sociais, bibliotecas e até delegacias de polícia para acolher quem precisa de um lugar quente, sobretudo, os cerca de 16.000 desabrigados da cidade.

O serviço de locação de veículos com motorista Lyft passou a oferecer corridas de até 15 dólares para os clientes que quiserem ir para esses abrigos. Em Minneapolis e Saint-Paul, vários abrigos permanecerão abertos 24 horas por dia.

Diante da deterioração das condições meteorológicas, os Correios anunciaram ontem a suspensão da distribuição de correspondência em seis estados: Illinois, Iowa, Minnesota, Dakotas do Sul e do Norte e Wisconsin. O degelo nessas regiões está previsto para o fim de semana, quando a onda de frio se dirige para a Costa Leste. Quedas de temperatura e nevascas são esperadas em Maine e na Pensilvânia. (Nova Safo e Cyril Julien – AFP)

Comentários