Exterior

Nasa encerra missão do Kepler que identificou estrelas habitáveis

A missão de US$ 700 milhões ajudou a descobrir, no ano passado, um sistema solar com oito planetas, assim como o nosso
Kepler deixa um legado de mais de 2.600 descobertas de planetas de fora do nosso sistema solar, muitas das quais poderiam ser lugares promissores para a vida. Crédito da foto: AFP Photo/ Nasa/Tim Jacobs

A Nasa anunciou nesta terça-feira (30) o fim da missão do telescópio Kepler. Já bem além da expectativa de funcionamento, o Kepler, de nove anos e meio, estava com pouco combustível há meses. A missão de US$ 700 milhões ajudou a descobrir, no ano passado, um sistema solar com oito planetas, assim como o nosso.

“Kepler abriu uma porta para a exploração do cosmos pela humanidade”, diz o cientista aposentado da Nasa William Borucki, que liderou a equipe científica original do Kepler.

O telescópio descobriu 2.681 planetas fora do nosso sistema solar e mais candidatos em potencial. O diretor de astrofísica da Nasa, Paul Hertz, estimou que de dois a doze planetas descobertos pelo Kepler são rochosos e do tamanho da Terra na chamada “Zona de Cachinhos Dourados”. O Kepler ainda mostrou que de 20% a 50% das estrelas visíveis no céu poderiam ter planetas como o nosso.

Leia mais  Quatro pessoas, incluindo uma criança, morrem em tiroteio na Califórnia 

“Ele revolucionou nossa compreensão do nosso lugar no cosmos”, diz Hertz. “Agora sabemos, por causa do telescópio espacial Kepler e sua missão científica, que os planetas são mais comuns que as estrelas em nossa galáxia”.

Quase perdido em 2013 por causa de uma falha em seus sistemas, o Kepler foi resgatado por engenheiros e continuou “espiando” o cosmos.

Sucessora do Kepler, a sonda Tess foi lançada em abril e tem como alvo as estrelas mais próximas de casa. A sonda já identificou alguns planetas possíveis.

Cientista do projeto Tess, Padi Boy, chamou a missão de Kepler de “sucesso impressionante”. “Kepler nos mostrou que vivemos em uma galáxia repleta de planetas e estamos prontos para dar o próximo passo para explorá-los”, afirma. (Estadão Conteúdo)

Comentários