Exterior

Manifestantes protestam em Paris para pressionar o governo francês

O grupo é contra a alta dos combustíveis e a perda do poder aquisitivo na França
Protesto na Champs Elysees, em Paris. Crédito da foto: Bertrand Guay / AFP

Milhares de manifestantes, integrantes do movimento conhecido como “coletes amarelos”, que protestam contra a alta dos combustíveis e a perda do poder aquisitivo na França, se reuniram neste sábado (24) no centro de Paris após vários dias protestos no restante do país, com a intenção de pressionar ainda mais o governo.

Durante a manhã, milhares de manifestantes estavam na avenida Champs Élysées da capital francesa e gritaram frases contra o presidente Emmanuel Macron. A polícia utilizou gás lacrimogêneo e jatos de água para afastar as pessoas que tentavam furar um bloqueio das forças de segurança.

A mobilização na capital, de contornos pouco definidos, preocupa as autoridades que temem distúrbios. O movimento, sem vínculo com os sindicatos e os partidos políticos, organizou em 17 de novembro seu “primeiro ato”, que levou 280.000 pessoas às ruas em toda França.

Protesto foi motivado pelo aumento dos combustíveis. Crédito da foto: Francois Guillot / AFP

O “segundo ato” foi agendado para este sábado em Paris. O movimento é mais um na longa história francesa de contestação social e protestos nas ruas.

Uma pesquisa do instituto BVA mostrou que 72% dos franceses se identificam com as reivindicações dos “coletes amarelos”. O preço elevado da gasolina, impostos excessivos, pensões e aposentadorias insuficientes: as reivindicações do movimento convergem para a perda de poder aquisitivo.

Os “coletes amarelos” representam um verdadeiro desafio para Macron que, no momento, não parece disposto a mudar o ritmo de suas reformas para “transformar” a França ou a abrir mão do aumento do preço dos combustíveis, tudo isto para “manter o rumo a favor da transição ecológica”. De acordo com a imprensa, no entanto, Macron pode anunciar na terça-feira novas medidas destinadas às famílias carentes para evitar o risco de uma “fratura” social.

Leia mais  França reconhece pela primeira vez uso de tortura na Guerra de Argélia

 

A convocação do “segundo ato” da mobilização foi feita nas redes sociais, principal plataforma de comunicação dos manifestantes. Com o perfil ambíguo do movimento, as autoridades desejam evitar os confrontos registrados na primeira semana de protestos (dois mortos, 620 civis e 136 membros das forças de segurança feridos), com uma grande mobilização policial.

As autoridades temem em particular a infiltração entre os manifestantes de “redes violentas de extrema-direita e extrema-esquerda”. Mais de 35.000 pessoas responderam no Facebook à convocação para um protesto na Place de la Concorde em Paris, mas esta manifestação foi proibida por sua proximidade com o palácio presidencial do Eliseu e da embaixada dos Estados Unidos.

As autoridades proibiram eventos ao redor do palácio presidencial, da Concorde, da Assembleia Nacional e do hotel Matignon, que abriga o escritório do primeiro-ministro. Manifestações foram autorizadas no Campo de Marte, perto da Torre Eiffel, mas o movimento dos “coletes amarelos” não aceitou a ideia, por considerar que ficara “preso em um parque”. (AFP)

Comentários