Exterior

Jornalista Bob Woodward faz um sombrio retrato de Trump em livro

A Casa Branca respondeu que se trata de 'histórias fabricadas'

 

Livro apontaria que colaboradores se esforçam para controlar Trump. Crédito da foto: Michael B. Thomas/Getty Images/AFP

 

O aguardado livro do jornalista investigativo Bob Woodward sobre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, descreve o perfil de um chefe de Estado inculto, raivoso e paranoico, que seus secretários e colaboradores se esforçam em controlar para evitar suas saídas de tom.

O jornal Washington Post, que obteve uma cópia da obra escrita por quem, junto com Carl Bernstein, revelou o escândalo Watergate, que desencadeou a demissão do republicano Richard Nixon, publicou alguns trechos que não deixam o 45° presidente dos Estados Unidos em uma boa posição.

A Casa Branca respondeu que se trata de “histórias fabricadas”, enquanto o aguardado livro reaviva as pressões contra um presidente cercado por múltiplas investigações e uma eleição que poderia prejudicar o Partido Republicano.

“É apenas outro livro ruim”, afirmou Trump ao Daily Caller, uma publicação conservadora, assinalando que se tratam de “coisas desagradáveis” e “inventadas”.

“Ele teve grandes problemas de credibilidade”, disse sobre Woodward, sem especificar sobre essa afirmação.

Leia mais  Pfizer e BioNTech começam a testar vacina contra Covid-19 em grávidas

 ‘O pior trabalho’

De acordo com o livro, após uma reunião entre Trump e a sua equipe de Segurança Nacional sobre a presença militar na península da Coreia, o secretário de Defesa, Jim Mattis, disse, exasperado, ao seu círculo próximo que o presidente se comportou como um “aluno de quinto ou sexto ano”.

Segundo Woodward, depois do ataque químico de abril de 2017 atribuído ao regime do presidente sírio Bashar al-Assad, Trump supostamente ligou para o general Mattis e lhe disse que queria assassinar o chefe de Estado.

“Vamos matá-lo. Vamos. Vamos matar um monte deles”, disse Trump ao chefe do Pentágono. Depois de desligar, Mattis teria recorrido a um assessor e teria dito a ele: “Não faremos nada a respeito, seremos muito mais comedidos”.

Woodward descreve em seu livro intitulado “Fear: Trump in the White House” a frustração que vive de forma recorrente o secretário-geral da Casa Branca, John Kelly, tradicionalmente o homem mais próximo ao presidente na “Ala Oeste”.

Leia mais  OMS dá aprovação de emergência para a vacina AstraZeneca

Em uma reunião com um círculo reduzido, Kelly teria afirmado sobre Trump: “É um idiota. É inútil tentar convencê-lo de qualquer coisa (…) Nem sei o que eu estou fazendo aqui. Este é o pior trabalho que já tive”.

Em uma breve reação, Kelly assegurou que jamais chamou o presidente de idiota e reafirmou o seu compromisso com ele.

De acordo com o explosivo texto, seu ex-assessor econômico Gary Cohn “roubou uma carta que encontrou sobre a mesa de Trump” que o presidente pretendia assinar e que tinha a intenção de retirar oficialmente os Estados Unidos de um acordo comercial com a Coreia do Sul.

Cohn explicou então a uma pessoa próxima que havia tomado essa atitude em nome da segurança nacional e que o magnata imobiliário nunca se deu conta do desaparecimento do documento.

Os trechos divulgados pelo Washington Post revelam um presidente irascível que ataca os seus colaboradores com uma violência pouco comum.

Leia mais  Pouso da Perseverance em Marte está previsto para amanhã

O procurador-geral, Jeff Sessions, que tem sido alvo recorrente do desprezo presidencial, recebe um tratamento impiedoso. “É um cara mentalmente atrasado. É um imbecil”, teria afirmado Trump a Rob Porter, um de seus assessores.

Livro apontaria que colaboradores se esforçam para controlar Trump. Crédito da foto: Reprodução

 

 ‘Fez um trabalho extraordinário’

A investigação do procurador especial, Robert Mueller, sobre um suposto conluio entre a equipe de campanha de Trump e a Rússia ocupa um importante lugar no livro.

Woodward disse que tentou, sem sucesso, entrevistar Trump para o livro e que o presidente ligou para ele em meados de agosto, quando já estava finalizado.

O Post publicou o registro da conversa entre os dois, na qual Trump afirma que ninguém passou a ele a mensagem para falar com o jornalista e assegura que teria “adorado falar com ele”.

“Você sabe que fez um trabalho extraordinário pelo país (…) Entende isso? Eu espero”, diz durante a conversa, na qual, em alguns momentos, dá a impressão de ter se resignado. (AFP)

Comentários