Exterior

França torna obrigatório teste de Covid-19 para viajantes do Brasil e mais 15 países

Para poderem embarcar nos aviões, turistas precisão provar, por meio de exames, que não estão infectados pelo Coronavírus
A frança exigirá que viajantes de 16 países, incluindo o Brasil, façam o teste para prova que não estão contaminadas pela Covid-19. Crédito da foto: Hugo Borges/ AFP (24/07/2020)

A França vai impor testes obrigatórios em pessoas procedentes de 16 países, incluindo Brasil, Peru e Panamá, o mais tardar em 1º de agosto, e recomendou a seus cidadãos que evitem viajar para a região espanhola da Catalunha, onde foram registrados novos surtos da Covid-19.

Os viajantes desses países deverão ter um “teste que justifique que não possuem o vírus para poder embarcar nos aviões correspondentes”, disse o primeiro-ministro francês, Jean Castex, no aeroporto de Paris, Roissy-Charles de Gaulle.

“Sabemos que, em certo número desses países, não há uma estratégia de detecção e que o acesso aos testes é difícil. Assim, decidimos generalizar os testes nas chegadas”, afirmou o primeiro-ministro.

A informação foi apresentada pouco depois de reunião do Conselho de Defesa e Segurança, realizada nesta sexta-feira (24), para definir medidas de controle à segunda onda de casos do patógeno que provoca a Covid-19. De acordo com balanço mais recente, nas últimas 24 horas, foram mais de mil infectados.

Leia mais  Organização Mundial da Saúde descarta volta ao ‘antigo normal’

 

Segundo Castex, os passageiros provenientes de Estados Unidos, Emirados Árabes, Bahrein e Panamá, que estão na chamada “lista vermelha”, deverão apresentar um resultado negativo de exame recente para o novo coronavírus, caso contrário, serão testados no desembarque.

Já os que chegarem de Brasil, África do Sul, Argélia, Catar, Índia, Israel, Kuwait, Madagascar, Omã, Peru, Sérvia e Turquia, precisarão passar pela detecção para o patógeno ao pisarem em um aeroporto local.

O tráfego aéreo com os integrantes dessa lista ainda é pequeno, já que as fronteiras da França ainda estão fechadas quase totalmente para fora da União Europeia. Com isso, a medida impacta passageiros franceses que pretendem viajar para o país natal.

Essa medida é “indispensável devido ao aumento da circulação do vírus” na França, argumentou Castex, que anunciou também a imposição de medidas semelhantes nos portos.

Leia mais  Países da UE estudam plano de recuperação pós-Covid-19

 

“Evitar ir à Catalunha”

Castex também recomendou aos franceses que evitem viajar para a região espanhola da Catalunha, onde novos focos da doença surgiram nos últimos dias, “enquanto a situação sanitária não melhorar”.”Estamos conversando com as autoridades espanholas e catalãs para garantir que, na outra direção, os fluxos sejam o mais limitado possível”, acrescentou.

Na Espanha, onde o número de casos se multiplicou nas últimas duas semanas, as autoridades não descartam a chegada de uma segunda onda. “Pode haver uma segunda onda, isso é o de menos. O importante é acompanhar o que está acontecendo, ver onde é preciso tomar medidas, tomá-las cedo”, declarou a diretora adjunta do Centro de Coordenação de Alertas e Emergências Sanitárias (CCAES), María José Sierra.

“A situação de rebotes não é apenas própria da Catalunha, mas está acontecendo em todos os territórios e em todos os países”, disse, por sua vez, à Agência France Press o conselheiro das Relações Exteriores da Catalunha, Bernat Solé.

A França, onde o coronavírus deixou mais de 30 mil mortos, observa, nessas últimas semanas, uma aceleração dos casos e o surgimento de novos focos da doença.

Para evitar uma segunda onda no país, que começou a relaxar as medidas de confinamento há cerca de dois meses, as autoridades francesas tornaram obrigatório, nesta segunda-feira, o uso de máscaras em locais públicos fechados. (Estadão Conteúdo, com agências internacionais) 

 

Comentários