Exterior

Corpo de jornalista foi dissolvido, afirma Turquia

O objetivo era não deixar vestígios do corpo
Os assassinos do jornalista desmembraram o seu corpo para que fosse dissolvido com mais facilidade, segundo a Turquia. Crédito da foto: AFP.

O corpo do jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado há um mês no Consulado da Arábia Saudita em Istambul, foi esquartejado e dissolvido em uma substância química, afirmou nesta sexta-feira, 2, Yasin Aktay, amigo de Khashoggi e assessor do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ao jornal Hürriyet. “Sabíamos que o corpo de Khashoggi tinha sido desmembrado, mas agora temos evidências de que não só o esquartejaram, mas também o dissolveram”, disse Aktay.

Os assassinos do jornalista, um crítico do regime saudita que vivia exilado nos Estados Unidos, desmembraram o seu corpo para que fosse dissolvido com mais facilidade, segundo a Turquia. Os criminosos formavam um comando de aproximadamente 15 agentes enviados por Riad. O príncipe herdeiro saudita, Mohamed bin Salman, é apontado pela Turquia como o mandante do crime.

Leia mais  Piloto morre em colisão de helicóptero com prédio em Nova York

“De acordo com as últimas informações, a razão pela qual ele foi cortado em pedaços foi para poder dissolvê-lo mais facilmente. O objetivo era não deixar vestígios do corpo”, disse Aktay.

O Ministério Público da Turquia confirmou, na quarta-feira, que o corpo do jornalista havia sido esquartejado. “Não há nada razoável que possa explicar isso. Matar uma pessoa inocente é um crime. Tratar o corpo assim é outro crime e uma vergonhat, acrescentou Aktay. “(O corpo) foi procurado em todos os lugares que aparecem no sistema de câmeras de vigilância, mas não foi encontrado. O que há são indícios”, acrescentou o assessor de Erdogan.

Responsabilidade

Ontem, Erdogan, disse que a ordem para assassinar Khashoggi veio do “mais alto escalão” do governo da Arábia Saudita. “Sabemos que os executores estão entre os 18 suspeitos detidos na Arábia Saudita. E sabemos que a ordem para matar Khashoggi veio dos mais altos níveis do governo saudita”, escreveu Erdogan em um artigo no jornal Washington Post.

Leia mais  Venezuela abre parte de fronteira com Colômbia

No entanto, o presidente turco isentou o rei Salman de qualquer responsabilidade sobre o crime. “Gostaria de enfatizar que Turquia e Arábia Saudita têm relações amistosas e não acredito, por um só segundo, que o rei Salman, guardião das santas mesquitas, tenha ordenado o assassinato de Khashoggi.” (Com Agências Internacionais)

Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Comentários

CLASSICRUZEIRO