Exterior

1ª emenda não dá direito a saques, só protesto pacífico, diz porta-voz dos EUA

Kayleigh McEnany afirmou que o presidente Donald Trump e o governo como um todo lamentam a morte de George Floyd
 porta-voz informou também que a Casa Branca deve divulgar em breve resultados recentes sobre exames médicos do presidente. Crédito da foto: AFP / Brendan Smialowski

 

Porta-voz da Casa Branca, Kayleigh McEnany defendeu o trabalho da polícia dos Estados Unidos para conter violência em protestos nos últimos dias. “A primeira emenda (da Constituição) dá às pessoas o direito de fazer assembleias pacíficas, não a saquear”, afirmou ela durante entrevista coletiva nesta quarta-feira (3).

McEnany afirmou que o presidente Donald Trump e o governo como um todo lamentam a morte de George Floyd, um homem negro que foi morto sufocado por um policial branco em Minnesota, episódio que foi o estopim para protestos nos últimos dias no país. Segundo ela, porém, é preciso manter “a lei e a ordem”. “Os policiais têm o direito de se defender”, comentou, citando episódios de violência contra agentes em várias cidades americanas nos últimos dias. “Os anarquistas não prevalecerão.”

A porta-voz foi questionada sobre o fato de que Trump ameaçou lançar mão do Insurrection Act, uma lei que permitiria o envio de membros da Guarda Nacional para patrulhar as ruas e evitar problemas nos protestos. Segundo ela, não há decisão sobre o tema. Anteriormente, o secretário da Defesa, Mark Esper, havia afirmado ser contrário a essa opção. McEnany disse que o presidente mantém a confiança em Esper e que ele continua secretário, ao ser questionada sobre a divergência.

Perguntada sobre eventuais mudanças no monitoramento do trabalho dos policiais, após a morte de Floyd, McEnany disse que existem discussões sobre o tema no governo, mas que ainda não foram tomadas decisões.

A porta-voz informou também que a Casa Branca deve divulgar em breve resultados recentes sobre exames médicos do presidente. De acordo com ela, Trump “continua saudável”. (Estadão Conteúdo)

Leia mais  Itália reabre fronteiras para salvar indústria turística
Comentários