Buscar no Cruzeiro

Buscar

Acervo

São Bento é contra encerramento da A2

03 de Abril de 2020

São Bento é contra encerramento da A2 Apesar da boa fase, Bentão ainda não entrou no G8. Crédito da foto: Fábio Rogério / Arquivo JCS (9/3/2020)

A Federação Paulista de Futebol (FPF) paralisou todas as suas competições por tempo indeterminado a partir de 16 de março, por conta da pandemia do novo coronavírus. A Série A2, campeonato disputado pelo São Bento, foi interrompida quando faltavam três rodadas para terminar a primeira fase.

Com dificuldades financeiras e muitos jogadores que terão os contratos encerrados no final do mês de abril, alguns clubes não sabem como manter os elencos, caso o campeonato seja retomado. A FPF monitora a situação da pandemia diariamente para tomar uma decisão.

Em meio às incertezas, a Portuguesa parece buscar soluções. O técnico do clube, Fernando Marchiori, concedeu entrevista ao portal Globoesporte.com e sugeriu que a competição fosse encerrada com o acesso dos oito primeiros colocados para a A1. A Lusa fecha o G8.

“Você não vai conseguir agradar todos que ali não estão. Ao mesmo tempo, quem está na zona de classificação, teria que ser privilegiado por estar alí no momento. Infelizmente não vamos conseguir agradar a todos”, falou ao portal do grupo Globo.

O Bentão é uma parte extremamente interessada nesse assunto, já que ocupa o nono lugar na tabela de classificação, atrás do time da capital apenas pelo critério de desempate. Ambas as equipes estão com 18 pontos, mas os paulistanos ficam à frente por conta dos critérios de desempate.

O primeiro critério aplicado, de acordo com o regulamento da Série A2, é o número de vitórias. Neste item, os dois times continuam em igualdade: cinco resultados positivos para cada um. Na segunda regra, o saldo de gols, é onde a Portuguesa tem vantagem. O clube da capital possui dois gols positivos. Já o São Bento está com zero.

Questionado pela reportagem do jornal Cruzeiro do Sul, o presidente beneditino, Márcio Rogério Dias, não concorda com a proposta. “Na minha opinião, os estaduais devem continuar”. E citou outros fatores para ser contrário ao encerramento do torneio.

“Existe o interesse financeiro da emissora que detêm os direitos de transmissão, dos patrocinadores que investiram em mídia e também dos clubes que recebem cota para pagar os atletas, como é o caso do São Bento e de muitos outros times do interior”, justificou.

Márcio Rogério, que é advogado, também mencionou aspectos jurídicos, como o Estatuto do Torcedor, as regulamentações da competição e as normas da entidade máxima do futebol mundial, a Fifa.

“Ainda existe a questão do regulamento, estatuto do torcedor e normas da Fifa que vão na contramão dessa decisão. O momento agora é de pensar no coletivo e não em interesses próprios, que podem beneficiar algumas equipes”, pontuou o mandatário.

Todos os funcionários do clube -- jogadores, comissão técnica e administrativos -- estão em férias até o dia 20. Com exceção do volante Doriva, que encerra o contrato no dia 30 de abril e ainda não renovou, todos os demais atletas têm vínculo até o final do ano. (Zeca Cardoso)