São Bento

Ex-São Bento conta como é o futebol pós-covid em time de Portugal

Disputando o Campeonato Português, reiniciado há duas semanas, Pasinato diz que sente falta da torcida
Ex-Bentão conta como é o futebol pós-Covid
Goleiro fala dos protocolos e destaca os testes obrigatórios. Crédito da foto: Reprodução / Instagram

O futebol no Estado de São Paulo ainda não tem previsão para retornar, em razão do agravamento da pandemia do novo coronavírus. Outras regiões brasileiras já sinalizam com uma retomada, como, por exemplo, Santa Catarina, que voltará aos gramados com o estadual no dia 8 de julho.

No entanto, matar a saudade do esporte mais praticado do mundo já é possível, por meio dos campeonatos reiniciados na Europa. No caso de Portugal, o torcedor do São Bento pode rever um jogador que já vestiu a camisa do seu clube: o goleiro Mateus Pasinato.

Contratado para a temporada de 2019, após ter sido o goleiro menos vazado da Série B do Campeonato Brasileiro no ano anterior, pelo Vila Nova-GO, a passagem de Pasinato por Sorocaba foi atrapalhada, principalmente, por uma lesão.

Ainda na pré-temporada, um incomodo na região lombar e no quadril limitava movimentos e prejudicava o rendimento nos treinamentos. Até ser indentificado o problema e corrigido, o jogador não teve a oportunidade de entrar em campo no Campeonato Paulista.

“O diagnóstico foi bem complicado. Era para fazer uma cirurgia no quadril. Mas, no fim das contas, era só uma hérnia inguinal. Até saber o que era, fazer a cirurgia, recuperar e voltar a jogar, atrapalhou bastante”, explicou à reportagem do jornal Cruzeiro do Sul.

A primeira chance no Bentão foi contra o Vila Nova-GO, o seu ex-clube, na oitava rodada da Série B. Apesar da derrota, por 1 a 0, o torcedor imaginava que o goleiro titular havia sido encontrado, já que três atletas passaram pela posição durante o ano.

“Não dá para se dizer como seria uma sequência, o campeonato. O jogo foi só um gostinho de quero mais.” Após o confronto, o campeonato foi paralisado para a realização da Copa América. Em seguida, Mateus Pasinato foi negociado com o futebol português.

Da Europa, o goleiro viu o São Bento acumular o seu segundo rebaixamento na temporada. Após a queda para a Série A2 do Campeonato Paulista, o time sorocabano também não conseguiu se manter na segunda divisão nacional.

Para alguns torcedores, o jogador poderia ter contribuído para evitar mais um descenso do Azulão. Mesmo com apenas uma partida com a camisa 1 do São Bento, os fãs beneditinos criaram uma expectativa sobre a sequência de Pasinato no clube.

“Fico feliz com o reconhecimento do torcedor. E aqui está, com certeza, um torcedor beneditino, para que esse clube consiga, cada vez mais, os seus objetivos. Sair da Série C, ir para a Série B e galgar coisas grandes, do tamanho da história do clube”, disse.

Retorno ao futebol

Em Portugal desde o início da temporada européia, Pasinato defende o Moreirense Futebol Clube, que disputa a primeira divisão portuguesa. A volta aos gramados, após quase três meses de paralisação por conta da Covid-19, aconteceu no último dia 3 de junho.

“Voltar é sempre muito bom. Já estávamos saturados de ficar sem sentir a adrenalina dos jogos, mais de dois meses sem estar no campo e (nem) treinando direito. É uma emoção muito boa”, confidenciou.

Os jogos em Portugal são realizados com portões fechados. Até ontem, o país contabilizava 37.036 casos confirmados e 1.520 mortes em decorrência da pandemia. Para retornar, diversas medidas foram tomadas para garantir a segurança de todos os envolvidos nas partidas.

“Estamos sempre fazendo os testes: 72 horas e 24 horas antes dos jogos. Álcool em gel e desinfetante (são usados) toda hora e o distanciamento (social) também (continua). Mudou muita coisa, o futebol está sendo sem a torcida, que é o principal objetivo do espetáculo”, falou.

Duas rodadas foram disputadas. Na última partida, o Moreirense foi derrotado pelo Rio Ave, por 1 a 0. Porém na estreia, o clube de Pasinato venceu o Boavista, também por 1 a 0, com uma ótima participação do goleiro, que mesmo assim, apontou que sentiu dificuldades.

“O primeiro jogo é sempre mais complicado para nós, porque precisamos estar muito bem tecnicamente, fisicamente, mentalmente e com tempo de bola. É muito mais complicado com os goleiros. Pude fazer um jogo bom, apesar de ter sentido o ritmo”, pontuou.

Atualmente, o clube de Mateus ocupa a nona colocação, com 33 pontos. Em 26 jogos, venceu oito partidas, empatou nove jogos e perdeu outros nove. Na sexta-feira (19), volta a campo contra o Vitória de Guimarães, que é o sétimo colocado, com 39 pontos. (Zeca Cardoso)

Comentários