Esporte

Palmeiras bate São Paulo no Pacaembu e deixa rival sob risco no Paulistão

A equipe tricolor corre sério risco de sair do Estadual ainda na primeira fase e ainda deixou o campo sob vaias

 

Jogador Carlos Eduardo do Palmeiras comemora gol durante a partida entre São Paulo e Palmeiras, válida pelo Campeonato Paulista 2019. Crédito da foto:  Peter Leone / Futura Press /Estadão 

O Palmeiras foi ao Pacaembu na tarde deste sábado e volta para casa com a missão cumprida. O time bateu o São Paulo por 1 a 0, pelo Campeonato Paulista, garantiu classificação antecipada para as quartas de final e ainda deixou o rival ainda mais em crise. A equipe tricolor corre sério risco de sair do Estadual ainda na primeira fase e ainda deixou o campo sob vaias da torcida.

A chave da vitória palmeirense foi a paciência. Depois de jogar mal no primeiro tempo e não levar perigo, a equipe esperou se organizar para buscar a vitória quando o adversário desse espaço O objetivo foi cumprido no segundo tempo, com o golaço decisivo marcado por Carlos Eduardo, atacante que fez seu primeiro gol com a camisa alviverde. Ao São Paulo, restou a ira da torcida e o desânimo de ter perdido o terceiro clássico do ano.

A necessidade de ganhar para não correr o risco de ser eliminado deixou o São Paulo acelerado em campo. O time do Morumbi buscava dar toques rápidos e cercar a saída de bola adversária. Deu certo. O Palmeiras não conseguia ameaçar, pois penava para superar a pressão são-paulina. Com Felipe Melo e Moisés muito marcados por Luan e Hudson, a bola sequer chegava ao setor ofensivo.

Leia mais  Número de atletas infectados por covid-19 pode retardar reinício da A1

Com a postura de trocar passes e esfriar o rival, o Palmeiras passou o primeiro tempo sem finalizar a gol e com alguns sustos na defesa. O São Paulo incomodava principalmente com Antony, Gonzalo Carneiro e Hernanes e deu trabalho para Weverton. A partida cheia de faltas e de lances violentos foi para o intervalo com problemas para o time do técnico Luiz Felipe Scolari, pois levou quatro cartões amarelos e ficou com a dupla de zaga pendurada.

A inércia do primeiro tempo fez Felipão mexer no intervalo. Após quase não tocar na bola, Borja saiu e Carlos Eduardo entrou para fazer o Palmeiras tentar igualar a velocidade do São Paulo. Ricardo Goulart virou centroavante, Dudu passou a ser meia e o time finalmente levou perigo. O jogo ficou mais equilibrado, porém continuou com lances violentos, passes errados e poucas finalizações.

O São Paulo sentiu no segundo tempo a perda de Hernanes, machucado, e, sem a liderança técnica, perdeu poder de fogo. O Palmeiras conseguiu controlar o jogo e aos poucos passou a levar perigo. Até que aos 34 minutos, Carlos Eduardo tabelou com Dudu e fez um golaço. O chute forte bateu duas vezes no travessão e entrou. A desvantagem provocou a ira dos são-paulinos nas arquibancadas do Pacaembu.

A torcida passou a xingar o time, com gritos de “amarelão” e “sem vergonha”, além de cobrar contratações e atacar o presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Abatido, o São Paulo nem passou perto de conseguir empatar. Os jogadores dentro de campo pareciam sentir vergonha da crise e tristeza pela situação delicada do time, que está perto de mais um vexame.

Leia mais  Pandemia no interior de SP supera números da Capital

Já atrás do Ituano, com 17 pontos, o São Paulo soma 14, em segundo lugar no Grupo D, mas pode ser ultrapassado pelo Oeste, que soma 12 e vai visitar o Corinthians no domingo, em Itaquera. Na rodada final, quarta-feira, o São Paulo atuará fora de casa contra o São Caetano. Líder do Grupo B com 22 pontos, o Palmeiras receberá a Ponte Preta, no Allianz Parque, na quarta. (Ciro Campos Estadão Conteúdo)

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 0 X 1 PALMEIRAS

SÃO PAULO – Tiago Volpi; Igor Vinícius, Arboleda, Anderson Martins e Reinaldo (Léo); Luan (Éverton Felipe), Hudson e Hernanes (Brenner); Antony, Gonzalo Carneiro e Pablo. Técnico: Vágner Mancini.

PALMEIRAS – Weverton; Mayke, Antônio Carlos, Gómez e Victor Luís; Felipe Melo, Moisés (Bruno Henrique) e Ricardo Goulart; Gustavo Scarpa, Dudu (Jean) e Borja (Carlos Eduardo). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

GOL – Carlos Eduardo, as 34 minutos do segundo tempo.

Leia mais  Esporte pode ajudar a superar efeitos de mais uma pandemia

ÁRBITRO – Thiago Duarte Peixoto.

CARTÕES AMARELOS – Moisés, Pablo, Gómez, Antônio Carlos, Borja, Anderson Martins, Carlos Eduardo.

RENDA – R$ 689.900,00.

PÚBLICO – 17.755 pagantes.

LOCAL – Estádio do Pacaembu, em São Paulo.

Comentários