Esporte

Marcinho admite que atropelou casal no Rio de Janeiro

O acidente ocorreu no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste da capital fluminense, e causou a morte de uma das vítimas
Marcinho admite que atropelou casal no Rio de Janeiro
O carro, um Mini Cooper, foi abandonado e depois localizado pela Polícia. Crédito da foto: Divulgação

O lateral-direito Marcinho, de 24 anos, ex-jogador do Botafogo, admitiu nesta segunda-feira (4) à Polícia Civil do Rio de Janeiro que dirigia o carro que atropelou um casal, na noite de 30 de dezembro, e fugiu sem prestar socorro. O acidente ocorreu no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste da capital fluminense, e causou a morte de uma das vítimas. A outra está internada em estado grave.

O atleta e seu pai e empresário, Sérgio Lemos de Oliveira, prestaram depoimento na 42ª DP do Recreio dos Bandeirantes. Segundo o delegado Alan Luxardo, responsável pela investigação, eles disseram que o carro trafegava a 60 km/h (dentro do limite de velocidade da via), negaram que Marcinho estivesse alcoolizado e afirmaram que ele fugiu por medo de ser agredido. Como a investigação ainda não terminou, por enquanto o jogador não foi indiciado.

Leia mais  Thiago Monteiro estreia com vitória nos EUA

Maria Cristina José Soares e Alexandre Silva de Lima atravessavam a avenida Lúcio Costa, na altura do número 17.170, quando foram atropelados. Alexandre morreu no local e Maria, que tem 66 anos, foi encaminhada em estado grave ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca (zona oeste). Depois foi transferida para o Hospital Vitória, onde no domingo se submeteu a uma cirurgia nas duas pernas. Até esta segunda-feira, a vítima estava na UTI. Por isso ainda não foi ouvida pela polícia.

O carro, um Mini Cooper, foi localizado abandonado na rua Hermes de Lima, no Recreio. O veículo está registrado em nome de uma empresa de produtos hospitalares cujo sócio é Sergio Lemos de Oliveira. Após ser localizado e submetido a perícia, o carro foi rebocado por um guincho da seguradora até a garagem da casa do pai de Marcinho. A partir daí a Polícia Civil passou a considerar o jogador suspeito.

Marcinho está sem contrato desde o último dia 1.º. Até 31 de dezembro era atleta do Botafogo, clube pelo qual disputou apenas quatro partidas na temporada. (Fábio Grellet – Estadão Conteúdo)

Comentários