Esporte São Bento

Gol contra bizarro e Tricolor na 5ª rodada lembram início ruim de 2017

Azulão também sofreu em 2017 com a perda de pontos ao levar um gol contra bizarro
Marquinhos Santos: “Vocês não sabem de 10% do que ocorre”. Crédito da foto: Erick Pinheiro

O início de 2019 para o São Bento guarda uma série de semelhanças com a situação vivida pelo Bentão há exatos dois anos, também nas primeiras rodadas do Campeonato Paulista. Mais do que o jejum de vitórias e a coincidência de enfrentar o São Paulo justamente na quinta rodada, o Azulão também sofreu em 2017 com a perda de pontos ao levar um gol contra bizarro.

Se, desta vez, a falha foi de Henal, que se complicou no domínio de bola e tocou para dentro da própria meta no empate por 1 a 1 com o São Caetano, há dois anos o erro foi do zagueiro João Paulo, que tentou recuar do meio de campo para o goleiro, mas pegou forte demais na bola e encobriu o arqueiro Rodrigo Viana na derrota por 1 a 0 para o Ituano, em Itu.

Leia mais  Passeio guiado pela região central conta a história de Sorocaba

Além disso, há a curiosidade de o árbitro da partida da última quinta-feira, no CIC, ser o mesmo daquela derrota no estádio Novelli Júnior: Adriano de Assis Miranda.

Naquele ano, o Bentão só foi conquistar a primeira vitória na sexta rodada, diante do Red Bull Brasil. A equipe vinha de quatro derrotas e um empate e iniciou ali sua recuperação. O time permaneceu ameaçado de rebaixamento até o final do campeonato e só escapou na última rodada, ao vencer o Mirassol, fora de casa, por 1 a 0. O São Bento, que era comandado por Paulo Roberto Santos, terminou com 13 pontos e ficou na 12ª colocação. Os rebaixados na ocasião foram Audax, com 9 pontos, na lanterna; e São Bernardo, que terminou a competição com 10.

Reação

Apesar de a vitória não ter vindo, o técnico Marquinhos Santos viu uma evolução na atuação diante do São Caetano na quinta-feira. O comandante elogiou a postura do time na parte tática — segundo ele, a equipe impôs um ritmo mais forte e rápido — e admitiu que, embora o resultado não tenha sido o esperado , começa a ver indícios do que espera para a equipe. “Saímos atrás no placar e mostramos reação. O torcedor viu uma entrega, um começo. Que foquem em mim e deixem os jogadores trabalharem. As coisas vão melhorar”, declarou.

Leia mais  Pilotos vão à pista de Campo Grande neste sábado (10) para treinos livres

Marquinhos falou ainda sobre os fatores que pesam na escolha dos titulares, já que ele alega não ter conseguido colocar em campo o time que projeta como sendo o “ideal” por questões físicas de início de temporada e sequência de jogos. “Vocês (imprensa) e a torcida não sabem de 10% do que ocorre no dia a dia, as tomadas de decisões, os porquês. É um colegiado dentro da fisiologia, da preparação física.”

Com dois pontos somados em quatro rodadas, o Bentão tem a segunda pior campanha do Paulistão, à frente apenas do Botafogo de Ribeirão, que tem um ponto. O Azulão está na lanterna do Grupo B, que tem o Palmeiras como líder, com 10, seguido por Novorizontino, com sete, e Guarani, com seis.

Para o jogo contra o São Paulo, amanhã (3), às 17h no Pacaembu, Marquinhos Santos poderá contar novamente com o zagueiro Ewerton Páscoa, que cumpriu suspensão diante do São Caetano.

Comentários

CLASSICRUZEIRO