Esporte São Bento

Gol contra bizarro e Tricolor na 5ª rodada lembram início ruim de 2017

Azulão também sofreu em 2017 com a perda de pontos ao levar um gol contra bizarro
Marquinhos Santos: “Vocês não sabem de 10% do que ocorre”. Crédito da foto: Erick Pinheiro

O início de 2019 para o São Bento guarda uma série de semelhanças com a situação vivida pelo Bentão há exatos dois anos, também nas primeiras rodadas do Campeonato Paulista. Mais do que o jejum de vitórias e a coincidência de enfrentar o São Paulo justamente na quinta rodada, o Azulão também sofreu em 2017 com a perda de pontos ao levar um gol contra bizarro.

Se, desta vez, a falha foi de Henal, que se complicou no domínio de bola e tocou para dentro da própria meta no empate por 1 a 1 com o São Caetano, há dois anos o erro foi do zagueiro João Paulo, que tentou recuar do meio de campo para o goleiro, mas pegou forte demais na bola e encobriu o arqueiro Rodrigo Viana na derrota por 1 a 0 para o Ituano, em Itu.

Leia mais  Briga de torcedores de São Paulo e Corinthians na Grande SP deixa 14 feridos

Além disso, há a curiosidade de o árbitro da partida da última quinta-feira, no CIC, ser o mesmo daquela derrota no estádio Novelli Júnior: Adriano de Assis Miranda.

Naquele ano, o Bentão só foi conquistar a primeira vitória na sexta rodada, diante do Red Bull Brasil. A equipe vinha de quatro derrotas e um empate e iniciou ali sua recuperação. O time permaneceu ameaçado de rebaixamento até o final do campeonato e só escapou na última rodada, ao vencer o Mirassol, fora de casa, por 1 a 0. O São Bento, que era comandado por Paulo Roberto Santos, terminou com 13 pontos e ficou na 12ª colocação. Os rebaixados na ocasião foram Audax, com 9 pontos, na lanterna; e São Bernardo, que terminou a competição com 10.

Reação

Apesar de a vitória não ter vindo, o técnico Marquinhos Santos viu uma evolução na atuação diante do São Caetano na quinta-feira. O comandante elogiou a postura do time na parte tática — segundo ele, a equipe impôs um ritmo mais forte e rápido — e admitiu que, embora o resultado não tenha sido o esperado , começa a ver indícios do que espera para a equipe. “Saímos atrás no placar e mostramos reação. O torcedor viu uma entrega, um começo. Que foquem em mim e deixem os jogadores trabalharem. As coisas vão melhorar”, declarou.

Leia mais  Caras novas revigoram o São Bento para a Série B do Brasileirão

Marquinhos falou ainda sobre os fatores que pesam na escolha dos titulares, já que ele alega não ter conseguido colocar em campo o time que projeta como sendo o “ideal” por questões físicas de início de temporada e sequência de jogos. “Vocês (imprensa) e a torcida não sabem de 10% do que ocorre no dia a dia, as tomadas de decisões, os porquês. É um colegiado dentro da fisiologia, da preparação física.”

Com dois pontos somados em quatro rodadas, o Bentão tem a segunda pior campanha do Paulistão, à frente apenas do Botafogo de Ribeirão, que tem um ponto. O Azulão está na lanterna do Grupo B, que tem o Palmeiras como líder, com 10, seguido por Novorizontino, com sete, e Guarani, com seis.

Para o jogo contra o São Paulo, amanhã (3), às 17h no Pacaembu, Marquinhos Santos poderá contar novamente com o zagueiro Ewerton Páscoa, que cumpriu suspensão diante do São Caetano.

Comentários

CLASSICRUZEIRO