Economia

Sorocaba cria 946 empregos em agosto

Resultado do mês foi o melhor do ano na cidade, com contratação nos principais setores da economia
Sorocaba cria 946 empregos em agosto
A indústria teve um saldo positivo de 370 postos de trabalho, conforme o Caged. Crédito da foto: Felipe Pinheiro / Arquivo Secom (2/8/2018)

Sorocaba gerou perto de mil vagas com carteira assinada em agosto, no segundo mês seguido de resultado positivo no emprego e mais que o dobro do registrado em julho. O saldo de contratações e demissões no mês foi de 946 postos de trabalho, com bom desempenho nos principais setores da economia, conforme o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado ontem. Em julho foram criadas 492 vagas após dois meses de resultado negativo. Em junho houve perda de 676 vagas e em maio, de 176. A atividade econômica nesses dois meses foi afetada pela paralisação dos caminhoneiros, no final de maio.

Em agosto, a indústria mostrou retomada de fôlego em Sorocaba, com saldo positivo de 370 vagas. Em seguida veio o setor de serviços (320), comércio (253) e construção civil (5). O município criou 2.370 vagas no acumulado de 2018 e 1.376 nos últimos 12 meses. Como comparação, no acumulado de janeiro a agosto de 2017 o saldo em Sorocaba era positivo em 531 postos de trabalho.

O setor de serviços foi o principal gerador de empregos em Sorocaba este ano, com 2.772 vagas no acumulado de janeiro a agosto. Já o comércio demitiu 644 no mesmo período enquanto a indústria contratou 51, ficando atrás da administração pública, que registrou a abertura de 152 vagas. A construção civil ficou quase estável nesse período, com -1.

Leia mais  Trabalhador com jornada reduzida deve receber 13º e férias integrais

O desempenho do mercado formal de trabalho na cidade em agosto é quase duas vezes maior que o de julho. Mas maio e junho tiveram resultados negativos de 176 e 676, respectivamente. O principal motivo para as demissões nesses dois meses, não só em Sorocaba, foi a greve dos caminhoneiros, que causou desabastecimento e paralisou indústrias.

Os dois meses quebraram o ritmo de recuperação do emprego na cidade no início do ano. De janeiro a abril, os saldos de contratações foram positivos, entre 327 em março e 447 em janeiro. Agosto, no entanto, figura como o mês de maior número de contratações no ano em Sorocaba.

Confiança

O economista e professor da Universidade de Sorocaba (Uniso), Renato Garcia, avalia a volta das contratações como uma retomada gradativa da confiança do empresário. “A economia brasileira é dinâmica e há um grande mercado consumidor”. Ele observa que a greve dos caminhoneiros prejudicou a recuperação, ainda pequena, de meses anteriores.

Com números melhores na economia, as incertezas políticas podem estar sendo deixadas um pouco de lado, segundo o economista. As contratações exigem seleção de profissionais, treinamento, e empresas que estiverem preparadas se darão melhor para quando a economia aquecer.

Leia mais  Guedes rebate crítica e afirma que há rumo

Para o bom volume de contratações em agosto, Garcia ressalta os investimentos no segmento de veículos e autopeças em Sorocaba, além do início da época em que indústrias começam a fazer estoques para vendas do final do ano. (Marcelo Roma)

Comentários