Economia

Revendedoras preparam aumento no preço do botijão de gás em Sorocaba

Reajuste de 8,5% foi autorizado pela Petrobras na terça-feira
Revendedoras seguram preço do botijão, mas vão aumentar
A Petrobras reajustou o valor do botijão de gás residencial em 8,5% nas refinarias. Crédito da foto: Fábio Rogério

Após um aumento de quase 20% na tarifa de energia elétrica, consumidores podem preparar o bolso agora para o reajuste de 8,5% no preço no botijão de gás de cozinha, que foi autorizado pela Petrobras na terça-feira. O valor do botijão vendido às distribuidoras não é o único determinante do preço final ao consumidor. Além de terem liberdade para praticar preços, as distribuidoras devem ainda incorporar impostos e outros custos.

Apesar do reajuste anunciado pela estatal, a maioria das revendedoras de Sorocaba ouvidas pelo Cruzeiro do Sul, em diferentes bairros, ainda não repassou-o para o consumidor. Os comerciantes afirmam que vão segurar o aumento enquanto durar o estoque comprado ainda com o preço antigo. Alguns, no entanto, disseram que pretendem subir o preço hoje, mas não informaram o valor nem o percentual.

A Petrobras justificou o reajuste de 8,5% por conta da desvalorização do real ante ao dólar e ao encarecimento do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) no mercado internacional. A estatal reajusta o preço do botijão de gás trimestralmente desde janeiro. Nos meses de janeiro e abril os valores foram reduzidos, porém, em julho, foi reajustado. No acumulado do ano, a alta é de 2,8%.

Segundo pesquisa de preços mais recente da Agência Nacional de Petróleo (ANP) feita em Sorocaba na semana passada, o preço máximo do botijão de 13 quilos era de R$ 70, com mínimo de R$ 65 e o média de R$ 68,12.

Ontem, o preço do gás de cozinha em Sorocaba chegava perto dos R$ 80 em algumas revendedoras. Na Vila Angélica, por exemplo, o preço para entrega era R$ 77 e de R$ 72 para retirar no local. Já no Jardim São Conrado, o preço ainda era de R$ 62 também para retirar. Em uma revendedora na Vila Barão, o botijão para entrega custava R$ 75 e para retirar R$ 70.

No Parque Vitória Régia, o valor era R$ 70 para entrega e R$ 66 para pegar no local. Em outras duas revendedoras do mesmo proprietário, uma na Vila Haro e outra no Jardim Sumis, os valores praticados ontem eram R$ 71 entrega e R$ 67 para retirar no local.

O supervisor das unidades, Jean Pires, disse que as revendedoras não repassaram o aumento para o consumidor porque ainda estão trabalhando com o estoque no valor de antes do reajuste. “Não seria justo com o consumidor a gente aumentar o preço do botijão agora enquanto ainda temos estoque do produto. Mas, assim que comprarmos os novos preços aí não tem jeito”, afirmou.

Gasto maior pesa nos custos de restaurante

Os proprietários de um restaurante no Além Ponte disseram que os aumentos constantes no preço do gás já elevaram os gastos com o produto nos últimos meses em cerca de 50%. O casal Andrea e Douglas Galvão serve refeições durante a semana e aos finais de semana.

“A cada 15 dias os botijões de gás do restaurante têm que ser reabastecidos e o custo disso é de R$ 1,2 mil. No mês, dá um total de R$ 2,4 mil”, segundo Andrea. O restaurante usa botijões comerciais, maiores que os residenciais.

A proprietária reclama que se fosse somente o aumento no preço do gás não seria necessário repassar custos aos seus clientes. Mas, de acordo com Andrea, outros aumentam acabam também pesando nas contas. “Teve o reajuste da energia elétrica recentemente, o aumento nos preços das bebidas, de alguns alimentos, gastos com funcionários, entre outras despesas. Quando você soma tudo, ou diminui a margem de lucro ou repassa o aumento para o consumidor.”

Andrea diz que procura algumas alternativas para diminuir custos e não repassar aumentos para os clientes. “Em relação ao gás de cozinha ainda não sabemos quanto será o aumento. Quando formos comprar novamente que ficaremos sabendo”, observa.

Aplicativo ajuda a economizar

Para driblar a alta no preço do gás sem correr risco de comprar produtos clandestinos, muitas pessoas estão recorrendo à tecnologia. Um exemplo é o aplicativo Chama, que permite que consumidores encontrem botijões de revendedores credenciados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), pelo melhor preço e próximo de suas casas.

Disponível no Google Play e na App Store, o app Chama conecta revendedores de botijões de gás aos clientes. Com o endereço inserido, rapidamente são listados os revendedores que atendem a região, a marca vendida, o preço, o tempo estimado de entrega com base na distância e a avaliação de outros clientes.

O aplicativo foi lançado em novembro de 2016, para a necessidade de trocar o botijão de gás de forma rápida e priorizando a economia.

Comentários

Sobre o Autor

Ana Cláudia Martins