Economia

Produção de veículos recua ao nível de 2004

Se comparado a março de 2019, o volume do mês passado representa queda de 21,1%
Produção de veículos recua ao nível de 2004
Exportações e vendas internas tiveram queda em março. Crédito da foto: Divulgação GM

Afetadas pelas paralisações que ocorreram por causa do novo coronavírus, as montadoras tiveram, em março, o menor volume de produção para o mês em 16 anos. Foram 190 mil unidades produzidas, em soma que considera os segmentos de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, segundo apresentação divulgada nesta segunda-feira (6) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

O resultado só não é menor do que o de março de 2004, quando a produção havia atingido 185,5 mil unidades, segundo dados da série histórica da associação. O volume também se aproxima do de março de 2016, quando foram montados 200,3 mil unidades, no pior momento da última recessão econômica.

Se comparado a março de 2019, o volume do mês passado representa queda de 21,1%. Em relação a fevereiro, o tombo é de 7%. No acumulado do ano até março, houve recuo de 16% em relação ao primeiro trimestre do ano passado, com a produção de 585,9 mil veículos.

Leia mais  Meirelles: há muitas dúvidas na economia

A venda de veículos novos no mercado interno caiu 21,8% em março ante igual mês do ano passado. Foram 163,6 mil unidades vendidas. Em relação a fevereiro, o volume apresenta queda de 18,6%.

Os trabalhadores não ficaram imunes à queda da produção. Segundo a Anfavea, cerca de 300 postos de trabalho foram fechados em março.

Exportação

A exportação de veículos, em unidades, caiu 21,1% em março ante igual mês do ano passado, informou a Anfavea. Foram vendidas 30,8 mil unidades ao exterior, em soma que considera os segmentos de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. O volume, se comparado a fevereiro, representa queda de 18,3%.

Nos três primeiros meses do ano, as exportações acumulam 89 mil unidades, queda de 14,9% em relação a igual intervalo do ano passado. (André Ítalo Rocha – Estadão Conteúdo)

Comentários