Economia

Procon fiscaliza 56 estabelecimentos em Sorocaba na Black Friday

De acordo com o Procon, foram pesquisados em Sorocaba preços de 50 itens em lojas físicas e virtuais
Consumidores foram às compras na Black Friday, em Sorocaba. Crédito da foto: Emidio Marques

O Procon Sorocaba fiscalizou 56 estabelecimentos, sexta-feira (23), na Operação Black Friday. Desse total, nove foram autuados pelos seguintes motivos: “deixar de informar o preço para pagamento à vista e ofertar produtos com desconto, sem, no entanto, informar os valores já calculados”.

De acordo com o Procon, foram pesquisados em Sorocaba preços de 50 itens em lojas físicas e virtuais, desde 3 de outubro, a fim de identificar práticas abusivas como, por exemplo, a conhecida “maquiagem de preços”.

Nas empresas monitoradas pelo órgão de defesa do consumidor não se verificou aumento nos preços, pois houve descontos levando-se em conta o maior valor do período pesquisado, desde 3 outubro, e o valor anunciado sexta-feira (24).

Sorocabanos aproveitam promoções

Consumidores de Sorocaba aproveitaram para comprar sexta-feira (23) os produtos com descontos oferecidos na Black Friday. Em shoppings, hipermercados, supermercados e nas lojas da região central, o dia foi de movimentação de entra e sai de pessoas carregando sacolas e caixas. Alguns estabelecimentos abriram à 0h de sexta.

Leia mais  Prefeitura pretende zerar ITBI para pessoas de baixa renda

As irmãs Jeana Iara Amaral, 17 anos, e Jeanine Vieira, 27, foram atrás das ofertas para antecipar as compras de Natal. Reuniram alguns familiares e foram ao shopping Iguatemi Esplanada logo cedo. Precisaram dividir as sacolas para suportar o peso. “Está bem mais barato, realmente. Aproveitamos e compramos os presentes para toda a família”, disse Jeana. Elas levaram para casa, entre outras coisas, doces, brinquedos, panelas e eletrodomésticos. Miqueias Proença, 31, também adiantou a chegada do Papai Noel. Ele decidiu comprar, na região central, os brinquedos para a filha e para o sobrinho. “Não pesquisei muito os preços, foi bem de última hora, mas decidi me antecipar ao Natal.”.

Para as donas de casa Irene Maria Pujalte, 68, Caroline Aparecida Martins Pinhal, 33, e Maria Sueli Silverio Pinhal, 60, da mesma família, o “evento” do comércio trouxe a oportunidade de estarem juntas para procurar boas opções de ofertas. “Comprei só o que precisava”, contou Caroline, que levou um ventilador, um ferro de passar e uma sanduicheira. “É sempre bom fazer uma boa pesquisa. Eu precisava comprar um freezer e vi uma diferença de R$ 200 entre duas lojas”, segundo Irene.

Leia mais  Governo leva ao Congresso MP de venda da Eletrobras

A aposentada Rosa Fumagalli Nascimento, 67, aproveitou a Black Friday pela primeira vez. “Não achei tantos descontos, mas deu para pegar alguns lençóis.”

O gerente de uma loja de eletrônicos e eletrodomésticos, Samuel França, falou um pouco sobre as estratégias adotadas para a data. Segundo ele, a rede começou a se preparar há pelo menos um mês, oferecendo um produto com desconto considerável a cada dia. “No dia a dia já costumamos oferecer preços diferenciados à vista, mas para a Black Friday fizemos negociações diretas com algumas marcas, para conseguir abaixar ainda mais os valores”, disse o gerente.

Conforme os vendedores, havia uma meta especial determinada pela loja especificamente para sexta-feira. Os números, porém, não podiam ser divulgados.

Expectativa

De acordo com a gerente de marketing do Iguatemi Esplanada, Gabriela Caires, a expectativa era de que o aumento de fluxo em relação a uma sexta-feira comum ficasse entre 50 e 65% até o fim do dia, com a passagem de pelo menos 20 mil veículos pelo estabelecimento. A loja de uma rede, instalada no shopping, abriu à 0h de sexta. “Em um dia como esse, precisamos adequar muitas coisas por conta dos horários diferenciados. É necessário trazer reforços para segurança, limpeza e estacionamento”, destaca.

Leia mais  PIB cai 4,1% e Covid põe retomada em xeque

Em Sorocaba, de acordo com estimativa do site blackfriday.com.br, a previsão de vendas para a data este ano estava acima de R$ 21 milhões. No Estado de São Paulo, o valor deveria exceder os R$ 916 milhões. A liquidação, no final de novembro, foi criada pelo varejo nos Estados Unidos a fim de renovar os estoques após o Dia de Ação de Graças e como preparação para o Natal. (Esdras Felipe Pereira)

Comentários